Blogue de opinião e divulgação.

Sábado, 19 de Dezembro de 2009
Cómo saber quiénes son los dueños del mundo

 

“Costa Nostra. Las mafias en la Costal del Sol”, de Antonio Romero y Miguel Díaz

Mucho se habla de los paraísos fiscales. Todo el mundo reniega de ellos y se considera probado que sus negocios se emplean para financiar el crimen organizado, pero ahí continúan. El libro “Costa Nostra. Las mafias en la Costal del Sol” (Editorial Atrapasueños), del periodista Miguel Díez Herrera y el político de Izquierda Unida Antonio Romero, ambos malagueños, nos ayuda a comprender los poderosos intereses que impiden que los gobiernos actúen contra esos santuarios económicos del crimen.

 

Ante la pasividad de los dirigentes políticos en las dos últimas décadas se ha multiplicado por cinco el dinero resguardado en los 74 puntos considerados paraísos fiscales repartidos en los cinco continentes, en total siete billones e dólares, un 13 por ciento del PIB mundial, un fraude fiscal cifrado en unos 255.000 millones de dólares. Algunos de estos paraísos se encuentran muy cerca, por ejemplo en Gibraltar, que con 30.000 habitantes cuenta con más de 80.000 sociedades mercantiles registradas. Según el FMI, anualmente se blanquean en estos paraísos 1'5 billones de dólares procedentes de actividades con bandas criminales organizadas, fraude fiscal y corrupción. Todo ello mediante tres millones de sociedades y fundaciones a través de las cuales las organizaciones criminales, las grandes empresas, las multinacionales, la banca y las grandes fortunas personales ocultan su contabilidad, burlan el pago de impuestos y blanquean dinero negro. Se estima que, sólo en lo referente a las grandes multinacionales de Estados Unidos, un 31 % de sus beneficios netos se esconde en paraísos fiscales. La Red de Justicia Global llama la atención sobre el hecho de que en 1950 las grandes corporaciones norteamericanas representaban el 28 % de los ingresos federales y en la actualidad no alcanzan el 11. El fraude al Tesoro norteamericano lo cifra la CIA entre 70.000 y 100.000 millones de dólares al año. Según han denunciado las federaciones internacionales de sindicatos, de las 275 empresas más grandes de Estados Unidos, 82 no pagaron impuestos entre 2001 y 2003.

 

Díez y Romero destacan que lo importante es saber que esa economía de criminales está íntimamente ligada a la economía legal. Un cártel de la droga, por ejemplo, necesita contar un abanico de sociedades y cuentas bancarias para operar, y con ellos todo un plantel de industriales, intermediarios, abogados, financieros, etc... con apariencia de honrados. Así encontramos que tres de los colosos de la banca mundial, el Citigroup, Royal Bank of Scotland y Lloyds Banck, cuentan con una legión de sociedades opacas.

 

La Unión Europea estima que de ponerse fin a la actividad del narcotráfico el volumen de la economía de Estados Unidos descendería entre un 19 % y un 22 %. Es lógico por tanto comprender la escasa voluntad de las autoridades económicas y políticas en actuar contra los paraísos fiscales. El caso español es similar. Los autores del libro recuerdan que, al cierre contable de 2007, cinco de los principales seis bancos españoles: Santander, BBVA, Banco Popular, Banco Sabadell y Banesto poseían participaciones en sociedades radicadas en paraísos fiscales. El Grupo Santander, en el ejercicio 2007, tenía una fuerte presencia, a través de 33 sociedades, en varios paraísos fiscales como Jersey, la Isla de Man, Guernsey, las Islas Caimán y Bahamas, con un capital y reservas que rondaban los 5.000 millones de euros. A todo ello añadir sus sociedades radicadas en Panamá, Luxemburgo, Holanda y Suiza. Por su parte, BBVA cuenta con tres sucursales en Caimán y una en Antillas Holandeses, además de BBVA Panamá.

 

En cuanto a otras empresas españolas, el Registro de Inversores del Ministerio de Industria contabiliza 8.300 millones de euros en paraísos fiscales desde 2003, y todo ello sin tener en cuenta las sumas sin declarar.

 

Un informe del Observatorio de la Responsabilidad Corporativa prueba que 18 de las 35 grandes compañías nacionales que cotizan en el IBEX tienen sociedades participadas en paraísos fiscales, lo que muestra la alianza entre grandes empresas y fortunas con los paraísos fiscales para defraudar y delinquir.

 

Todo esto y mucho más encontrará en este libro valiente que nos ayuda a comprender quiénes son verdaderamente los dueños del mundo observando que ni instituciones internacionales, ni gobiernos actúan contra esa situación.

Antonio Romero y Miguel Díaz. “Costa Nostra. Las mafias en la Costal del Sol”. Atrapasueños editorial, 2009. Www.atrapasuenos.org

Pascual Serrano
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009
Llegó la hora de poner fin a la globalización?

 

Walden Bello

El actual desplome global, el peor desde la Gran Depresión de hace 70 años, vino a remachar el último clavo en el ataúd de la globalización. Ya asediada por unos hechos que mostraban el incremento de la pobreza y de la desigualdad cuando los países más pobres experimentaron poco o ningún crecimiento económico, la globalización se ha visto terminalmente desacreditada en los dos últimos años, cuando el proceso, anunciado a bombo y platillo, de la interdependencia financiera y comercial invirtió su marcha para convertirse en correa de transmisión, no de prosperidad, sino de crisis y colapso económicos.
Continuar a ler:
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009
Mudanças nas reservas internacionais da China

 

 

A China prevê aumentar o volume das suas reservas internacionais em euros e ienes e reduzir a importância do dólar nas mesmas. Qual será o impacto nas finanças internacionais desta medida, logo se verá. Mas a preponderância do dólar não deve manter-se como está actualmente.
 


publicado por codigo430 às 15:56
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 18 de Outubro de 2009
Protestos em França: agricultores pedem novos apoios para combater queda de preços

 

Já não pode haver dúvidas, a organização económica que vigora actualmente, a chamada globalização, é extremamente agressiva para os povos, muito embora tenha assegurado fabulosos lucros às multinacionais.

 

Claro que as pessoas protestam. Já não aguentam mais. E, neste caso, é muito significativo que os agricultores franceses tenham ignorado uma longa tradição existente em França, segundo a qual, manifestações e acções de protesto nunca se fariam nos Champs- Elysées

 

Evidentemente, acreditar que aqueles que conduziram à crise serão capazes de a solucionar é crer demais.

 


publicado por codigo430 às 06:16
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 4 de Outubro de 2009
A problemática das patentes dos medicamentos

 

 

A problemática das patentes dos medicamentos é praticamente silenciada no ocidente - em Portugal, por exemplo, não se fala dela quando se aborda a questão dos gastos com a saúde - mas está muito viva em África e na América latina.
 


publicado por codigo430 às 13:12
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 1 de Outubro de 2009
Um sapato contra o FMI

 

 

Um jovem turco lançou uma sapatilha em direcção ao director-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn. O incidente aconteceu numa altura em que o francês falava a estudantes em Istambul, na Universidade Bilgi.

 

Na parte final da intervenção, o estudante começou a correr em direcção ao palco, onde se encontrava Strauss-Kahn, a gritar «FMI fora da Turquia»

 

De acordo com a agência noticiosa AFP, o sapato desportivo não chegou a atingir o director do FMI. Já o estudante foi rapidamente interceptado por agentes de segurança, que o manietaram e levaram.

 Notícia tvi
 


publicado por codigo430 às 15:29
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 26 de Setembro de 2009
O Mundo está a mudar! Já não é o mesmo!

 

 

O eixo Estados Unidos - União Europeia está enfraquecido e em perda de influência. Surgem novos actores, a China, o Brasil, a Índia, entre outros.

 

Uma nova ordem mundial está em construção.

 

Oxalá mais pacífica e amigável para o ser humano do que a actualmente existente, onde é a competição que predomina, a repressão e a guerra continuam a ser um meio de uso corrente e onde as pessoas, em grande parte, só contam se tiverem dinheiro para pagar.

 

Evidentemente, estes 20 países são muito importantes, mas não são o mundo, nem estão mandatados para falar em nome dele. E este não é um problema menor da ordem mundial que está a nascer.

 

Está-se no princípio. E vinte países já são melhor do que uma superpotência única, à qual caberia dirigir o mundo, segundo alguns, que bem tentaram, mas fracassaram. Mas que preço não está a humanidade a pagar por essa sandice.

 

 


publicado por codigo430 às 21:39
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009
A Doutrina do Choque
Em A Doutrina do Choque, Naomi Klein põe um fim ao mito de que o mercado livre global triunfou democraticamente. Expondo o modo de pensar, o rasto do dinheiro e os fios de marioneta por detrás das crises e guerras mundiais das últimas quatro décadas, A Doutrina do Choque é a história absorvente de como as políticas de "mercado livre" da América têm vindo a dominar o mundo - através da exploração de povos e países em choque devido a inúmeros desastres.

Na conjuntura mais caótica da guerra civil do Iraque, é apresentada uma nova lei que permitiria à Shell e à BP reclamar para si as vastas reservas petrolíferas do país... Imediatamente a seguir ao 11 de Setembro, a administração Bush concessiona, sem alarido, a gestão da "Guerra Contra o Terror" à Halliburton e à Blackwater... Depois de um tsunami varrer as costas do sudeste asiático, as praias intocadas são leiloadas ao desbarato a resorts turísticos… Os residentes de Nova Orleães, espalhados pelo furacão Katrina, descobrem que as suas habitações sociais, os seus hospitais e as suas escolas jamais serão reabertas… Estes acontecimentos são exemplos da "doutrina de choque": o aproveitamento da desorientação pública no seguimento de enormes choques colectivos - guerras, ataques terroristas ou desastres naturais - para ganhar controlo impondo uma terapia de choque económica. Por vezes, quando os dois primeiros choques não são bem sucedidos em eliminar a resistência, é empregue um terceiro choque: o eléctrodo na cela da prisão ou a arma Taser nas ruas.

Baseado em investigações históricas inovadoras e em quatro anos de relatos no terreno em zonas de desastre, A Doutrina do Choque mostra de forma vívida que o capitalismo de desastre - a rápida reorganização corporativa de sociedades que tentam recuperar do choque - não começou com o 11 de Setembro de 2001. O livro traça um percurso das suas origens que nos leva há cinquenta anos atrás, à Universidade de Chicago sob o domínio de Milton Friedman, que produziu muitos dos principais pensadores neoconservadores e neoliberais cuja influência, nos nossos dias, ainda é profunda em Washington. São estabelecidas novas e surpreendentes ligações entre a política económica, a guerra de "choque e pavor" e as experiências secretas financiadas pela CIA em electrochoques e privação sensorial na década de 1950, pesquisa essa que ajudou a escrever os manuais de tortura usados hoje na Baía de Guantanamo.

A Doutrina do Choque segue a aplicação destas ideias através da nossa história contemporânea, mostrando em assombroso detalhe a forma como eventos do conhecimento geral têm sido palcos activos e deliberados para a doutrina do choque, contando-se entre eles: o golpe de estado de Pinochet no Chile em 1973, a Guerra das Malvinas em 1982, o massacre na Praça de Tiananmen em 1989, o colapso da União Soviética em 1991, a Crise Financeira Asiática em 1997 e o furacão Mitch em 1998.

 

 


publicado por codigo430 às 12:02
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 11 de Agosto de 2009
A experiência chinesa a lidar com a crise

 

Pese a los grandes terremotos económicos que han estremecido al mundo desde que los primeros estertores comenzaron a percibirse en Estados Unidos, China ha logrado evadir la mayoría de las dificultades y se prevé que el Producto Interno Bruto (PIB) del gigante asiático crecerá 8,5 % este año.
[...] Otras cifran apoyan su reactivación. Por ejemplo, la producción industrial aumentó más de 10 % en junio y ha sido asimilada en gran parte por la demanda interna. Esto se debió a que los ingresos monetarios en la zona urbana crecieron 11,2 % por persona y en la rural 8,1 %, en comparación con 2008.
Ler a notícia aqui
Ou seja, de entre as várias medidas que a China tomou, salienta-se o facto de ter apostado no crescimento dos rendimentos da sua população, aumentado dessa forma o seu poder de compra, com reflexos positivos na economia.
Infelizmente, esta lição não é reconhecida pelos poderes do mundo ocidental que, claramente, estão apostados em diminuir o já de si degradado poder de compra dos trabalhadores dos seus países.
 


publicado por codigo430 às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 13 de Julho de 2009
Samir Amin 4/4Respuestas y propuestas del sur a la crisis económica internacional.

 

 

 
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 12 de Julho de 2009
Samir Amin 3/4 Respuestas y propuestas del sur a la crisis económica internacional.

 

 

 
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 11 de Julho de 2009
Samir Amin 2/4 Respuestas y propuestas del sur a la crisis económica internacional.

 

 

 
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 10 de Julho de 2009
Samir Amin 1/4 Respuestas y propuestas del sur a la crisis económica internacional.

 

 

 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 29 de Junho de 2009
A deslocalização das empresas

 

 

As empresas deslocam-se, em regra, para locais de menores condições sociais.

 

Este facto coloca a questão de se determinar se há um nível de bem-estar social que as empresas não possam suportar, optando então por regiões mais degradadas do ponto de vista social e ambiental.

 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 16 de Junho de 2009
Brics acenam com mudanças em divisas, mas não descartam de vez o dólar

 

Moscou, 16 jun (EFE).- As quatro grandes economias emergentes que integram o Bric (Brasil, Rússia, Índia e China) pediram nesta terça-feira um sistema de divisas mais diversificado, estável e previsível, mas não descartaram de vez o dólar.
 


publicado por codigo430 às 20:58
link do post | comentar | favorito
|

SCO leaders conclude annual summit

 

The member countries will strengthen cooperation within the framework of the SCO, and make concerted efforts with the rest of the international community to build a more fair and rational international financial system, the document said
 

A desdolarização: O desmantelamento do império financeiro-militar da América – O ponto de viragem de Yekaterinburg

[...] Responsáveis americanos quiseram comparecer como observadores à reunião de Yekaterinburg. Disseram-lhes Não. É uma palavra que os americanos ouvirão muito no futuro.
 


publicado por codigo430 às 16:11
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 12 de Junho de 2009
A liquidez anula o significado de "inflação"

 

 

 

Não haverá recuperação deste sistema financeiro disfuncional. Só a reforma rumo ao pleno emprego com salários em ascensão salvará esta economia severamente defeituosa.

por Henry C K Liu
Os termos convencionais de inflação e deflação já não são adequados para descrever o efeito monetário geral do excesso de liquidez recentemente libertado pelo US Federal Reserve, o banco central do país, para sanar o esmagamento do crédito que já perdura há um ano.

Isto acontece porque a abordagem adoptada pelo Tesouro e pelo Fed para tratar de uma crise financeira de dívida insustentável criada pelo excesso de liquidez é injectar mais liquidez na forma tanto de nova dívida pública como de dinheiro recém-criado na economia e canalizá-lo para instituições carregadas de dívida a fim de reflacionar uma bolha de preços de activos conduzida pela dívida já estourada.

O Tesouro não tem qualquer poder para criar dinheiro novo. Ele tem de tomar emprestado no mercado de crédito, transformando portanto dívida privada em dívida pública. O Fed tem a autoridade para criar dinheiro novo. Infelizmente, o dinheiro novo do Fed não tem ido para os consumidores na forma de pleno emprego com elevação de salários a fim de restaurar a procura em queda, mas ao contrário tem ido apenas para instituições aflitas infestadas de dívida a fim de que possam desalavancar da dívida tóxica. Portanto a deflação no mercado de acções (com preços em queda) tem sido amortecida pelo dinheiro recém emitido, ao passo que o rendimento salarial agregado continua a cair e, mais uma vez, a reduzir a procura agregada.

A procura em queda deflaciona os preços das mercadorias, mas não o suficiente para restaurar a procura porque os salários agregados estão a cair mais rapidamente. Quando instituições financeiras desalavancam com o dinheiro gratuito do banco central, os credores recebem o dinheiro ao passo que o Fed assume o passivo tóxico através da expansão do seu balanço. O desalavancamento reduz custos financeiros ao mesmo tempo que aumenta o fluxo de caixa para permitir a instituições financeiras zumbis retornarem à lucratividade nominal com rendimento não ganho, enquanto despedem trabalhadores para cortar no custo operacional. Portanto temos inflação do lucro financeiro com deflação de preços numa economia em retracção.

O que teremos pela frente não é uma hiper-inflação de preços do tipo República de Weimar, mas sim uma inflação do lucro na qual instituições financeiras zumbis se tornam nominalmente lucrativas numa economia em colapso. O perigo é que este lucro financeiro nominal e não ganho seja interpretado erradamente como um sinal de recuperação económica, induzindo o público a investir o que resta da riqueza que ainda possui, só para perder mais no colapso seguinte do mercado, o qual acontecerá quando estourar a bolha do lucro.

A hiper-inflação é fatal porque a cobertura (hedging) contra ela provoca fracassos do mercado que destroem riqueza. Normalmente, quando os mercados estão a funcionar, a inflação não coberta (unhedged) favorece os devedores ao reduzir o valor dos passivos que eles devem aos credores. Ao invés de destruir riqueza, a inflação não coberta simplesmente transfere riqueza dos credores para os devedores. Mas com a intervenção do governo no mercado financeiro, tanto os devedores como os credores são os contribuintes. Em tais circunstâncias, mesmo inflação moderada destrói riqueza porque não há partes vencedoras.

Dívida denominada em moeda fiduciária é riqueza tomada emprestada para ser reembolsada posteriormente com riqueza armazenada em dinheiro protegido pela política monetária. A desalavancagem da banca com o novo dinheiro do Fed cancela dívida privada ao valor facial pleno com dinheiro que não foi ganho por ninguém, isto é, sem riqueza armazenada. Esta espécie de dinheiro é tóxica pois quanto mais valioso for (com poder de compra acrescido para comprar mais quando os preços deflacionam), mais degrada ele a riqueza porque nenhuma riqueza foi posta no dinheiro a ser armazenado, negando portanto o pré-requisito do dinheiro como armazenador de valor.

Isto não é destruição da procura porque o declínio na procura é temporariamente atrasado pelo novo dinheiro. É, ao contrário, a destruição do dinheiro como um restaurador de valor ao mesmo tempo que produz um efeito enganoso e desconcertante sobre a procura agregada.

Pensar acerca do valor de qualquer activo real (ouro, petróleo e assim por diante) em termos de dinheiro (dólar) é enganoso. O caminho correcto é pensar acerca do valor do dinheiro (dólares) em termos de activos (ouro, petróleo), porque activos (ouro, petróleo, etc) são riqueza. O Fed pode criar dinheiro, mas não pode criar riqueza.

Os banqueiros centrais são suficientemente astutos para saberem que apesar de poderem criar dinheiro, não podem criar riqueza. Para atar dinheiro a riqueza, os banqueiros centrais devem combater a inflação como se ela fosse uma praga financeira. Mas a primeira lei do crescimento económico declara que para criar riqueza através do crescimento, alguma inflação tem de ser tolerada.

A solução então é fazer com que os trabalhadores pobres paguem pelo sofrimento infligido pela inflação dando aos ricos a maior fatia da riqueza monetizada criada através da inflação, de modo a que a perda do poder de compra devida à inflação seja suportada principalmente pelos trabalhadores pobres de baixos salários e não pelos possuidores de capital, cujo valor monetário é protegido da inflação através de salários baixos. Portanto os trabalhadores pobres perdem tanto nos tempos de expansão como nos tempos de declínio.

O monetarismo considera a inflação como benigna na medida em que os salários ascendam a um ritmo mais lento do que os preços dos activos. A lei de ferro monetarista dos salários funcionou na era industrial, com o excesso de capacidade resultante absorvido pelo consumo conspícuo das classes endinheiradas, embora isto finalmente anunciasse uma era de revoluções. Mas a lei de ferro dos salários já não funciona mais na era pós-industrial na qual o crescimento só pode vir da administração da procura em massa porque a super-capacidade cresceu para além da possibilidade de o consumo conspícuo de uns poucos a absorverem numa democracia económica.

Este tem sido o problema básico da economia global durante as últimas três décadas. Salários baixos mesmo em tempos de expansão levaram o mundo ao seu actual estado lamentável de super-capacidade mascarada pela procura insustentável criada por uma bolha da dívida que finalmente implodiu em Julho de 2007. Todo o mundo está agora a produzir bens e serviços feitos por trabalhadores de baixos salários que não podem permitir-se comprar aquilo que fazem excepto assumindo dívidas que acabarão por incumprir pois os seus baixos rendimentos não permitem servi-la.

Todos os gastos de estímulo de todos os governos perpetuam esta disfuncionalidade. Não haverá recuperação deste sistema financeiro disfuncional. Só a reforma rumo ao pleno emprego com salários em ascensão salvará esta economia severamente defeituosa.

Como é que isso pode ser feito? É simples. Basta tornar o custo de aumentos salariais dedutíveis do imposto sobre o rendimento corporativo e tornar as poupanças decorrentes de lay-offs tributáveis como rendimento corporativo.
27/Maio/2009
Presidente de um grupo de investimento privado com sede em Nova York. O seu sítio web é http://www.henryckliu.com .

O original encontra-se em http://www.atimes.com/atimes/Global_Economy/KE27Dj07.html . Tradução de JF.


Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
 


publicado por codigo430 às 18:19
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 7 de Junho de 2009
O porquê da crise

 

Rick Wolff, Professor de Economia na Universidade de Massachusetts
 


publicado por codigo430 às 20:09
link do post | comentar | favorito
|

Algumas questões actuais...

 

 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 6 de Junho de 2009
Comércio injusto

 

 

Um problema muito complexo. E cuja resolução não pode passar pelo sacrifício da agricultura da UE, evidentemente.
   


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Euro vs US Dollar
[Most Recent Exchange Rate from www.kitco.com]
Siouxsie And The Banshees - Dear Prudence
Coldplay - Paradise (Official)
Peter Gabriel - Games Without Frontiers
Je suis un homme - zazie
Vídeos
posts recentes

Cómo saber quiénes son lo...

Llegó la hora de poner fi...

Mudanças nas reservas int...

Protestos em França: agri...

A problemática das patent...

Um sapato contra o FMI

O Mundo está a mudar! Já ...

A Doutrina do Choque

A experiência chinesa a l...

Samir Amin 4/4Respuestas ...

links
tags

vídeos

opinião

cidadania

crise

democracia

economia

avaliação

globalização

humor

informação

outros temas

professores

actividades

música

enriquecimento

ambiente

sociologia

recursos

tve2

eua

informação vídeos

rtp

gripe

militarismo

videos

estudos

ensino

alunos

sic

estatísticas

escola

europeias

visitas de estudo

agricultura

poesia

fenprof

tvi

china

video

fome

divulgação

saramago

cef

iraque

profissional

vídeos tve2

galeano

leap

manifestações

pobreza informação

teoria

tve1

espinho

petróleo

técnico de secretariado

turismo

dia mundial

guerra

honduras

rosa

brasil

coltan

cultura

democracy

emigração

informação tve2

jn

laranjeira

outros temas vídeos

porto

sindicatos

colóquios

desigualdade

direito

economia tve2

estado

expresso

frases

galbraith

galeano tve2

gripe vídeos

obama

ocde

palestina

pedagogia

pobreza

privado

público

redes sociais

rt

técnico de comércio visitas de estudo

afeganistão

água informação vídeos

bbc

cgtp

chossudovsky

educação

fne

irão

manuel freire

todas as tags

Dívida Pública Mundial e por país

Tocar na imagem!
Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
arquivos

Outubro 2016

Dezembro 2015

Setembro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Maio 2006