Blogue de opinião e divulgação.

Quarta-feira, 30 de Dezembro de 2009
Um artigo que arrasa com muita da "teoria económica", nomeadamente com tese das "necessidades" ilimitadas

 

La mejor forma de vender a la base de la pirámide

Alrededor del mundo, cuatro mil millones de personas viven en la pobreza. Y las compañías occidentales están batallando por convertirlas en clientes.

 

Los visionarios de los negocios llevan una década argumentando que estas personas, conocidas como la base de la pirámide, conforman un mercado inmenso e infrautilizado. Algunas de las mayores y más astutas empresas han querido responder a sus necesidades básicas vendiéndoles desde agua limpia a electricidad.

 

Sin embargo, una y otra vez, las iniciativas han desaparecido sin dejar huella. ¿Por qué? Porque estas compañías tenían una visión completamente equivocada.

 

Para decirlo de modo sencillo: la base de la pirámide no es, en realidad, un mercado. Es cierto que esos miles de millones de personas de bajos recursos tienen mucho en común. Pero no tienen dos de las características vitales que se necesitan en un mercado de consumo. No han sido condicionados para pensar que los productos ofrecidos son algo que uno siquiera compraría. Y no han adaptado sus comportamientos y presupuestos para dar cabida a los productos en sus vidas. Un mercado de consumo es nada más y nada menos que un estilo de vida construido en torno a un producto.

 

Usemos como ejemplo un caso conocido. En los años 70, el agua embotellada era una idea extraña para la mayoría de los estadounidenses. No era parte del estilo de vida del consumidor de ese país. Tomó décadas para que un gran número de consumidores aceptara la idea de comprar algo que puede obtenerse gratuitamente del grifo, y convertir el agua embotellada en un gran negocio. De la misma forma, para muchos consumidores pobres, pagar por agua limpia o servicios sanitarios parece una idea descabellada.

 

¿La respuesta? Las compañías deben crear mercados —nuevos estilos de vida— para los consumidores pobres. Deben hacer que la idea de pagar por los productos parezca natural, deben inducir a los consumidores a que incorporen esos bienes a sus hábitos. Eso significa trabajar de cerca con comunidades locales en el desarrollo de productos y negocios, para lograr que la compra de esos productos sea interesante para los consumidores. Las compañías, además, deben adoptar una perspectiva de marketing amplia, para darles a los compradores el mayor número de motivos posible para probar los productos.

 

Para hacerse una idea de cómo un producto que parece perfecto puede fracasar, considere uno de los esfuerzos más rigurosos para vender un producto a la base de la pirámide por Procter & Gamble Co. La empresa, en asociación con los Centros para el Control y Prevención de Enfermedades del gobierno de Estados Unidos, desarrolló un tratamiento químico llamado PUR que convierte agua contaminada en agua potable.

 

Las lecciones de un fracaso

 

Pobreza nos EUAEl equipo de desarrollo hizo todo lo que hay que hacer cuando uno entra a un mercado nuevo. Buscó la opinión de miles de consumidores de bajos recursos y visitó los hogares de barrios pobres para entender las necesidades de sus residentes. Lanzaron productos de prueba en todo el mundo y usaron a los agentes sanitarios locales para ayudarlos a promocionar su producto.

 

El producto final, entretanto, parecía adaptarse perfectamente a sus clientes potenciales. Una bolsita de PUR, que podía purificar hasta tres galones de agua, se vendía por sólo 10 centavos de dólar. También era sencillo de usar y de larga duración, un factor importante, dada la dificultad de distribuir a zonas rurales.

 

Pero PUR fue un fracaso comercial. Tres años de marketing de prueba en cuatro países consiguieron tasas bajas de penetración, así como retornos flojos sobre las inversiones.

 

P&G convirtió una historia de fracaso comercial en un éxito filantrópico. Desde 2004, la compañía ha donado o provisto a bajo costo cientos de millones de paquetes de PUR a operaciones de emergencia.

 

¿Cómo pudo fracasar toda esta investigación de mercado? Es porque no existía un mercado. Es cierto que los potenciales consumidores dijeron a los investigadores que necesitaban agua limpia y que estaban dispuestos a pagar por ella. Pero cuando llegó la hora de comprar y usar el producto, decidieron, por algún motivo, que no tenía sentido en sus vidas y que no valía el esfuerzo.

 

Pobreza em MiamiPiense en algunos de los cambios que estas personas tendrían que hacer para hacer que PUR formara parte de sus costumbres diarias. Tal vez tendrían que reconsiderar los conocimientos tradicionales y los remedios caseros, y aprender sobre las bacterias. Del mismo modo, podrían tener que tirar por la borda creencias antiguas sobre la apariencia y el sabor del agua limpia.

 

Luego está el componente social. Estas personas podrían tener conflictos con sus cónyuges o hijos cuando el dinero gastado semanalmente en gaseosas o golosinas fuera destinado a bolsitas de PUR. Y el tiempo gastado comprándolo podría interrumpir otras actividades. Todos estos obstáculos no compensaron los potenciales beneficios de PUR.

 

P&G reconoce que su campaña de marketing de PUR no tuvo éxito, pero argumenta que su plan de negocios era defectuoso. La compañía concuerda que el obstáculo real que hay que superar a la hora de lanzar un nuevo producto, en cualquier mercado, es ayudar al consumidor a entender el beneficio de hacer algo de otra manera.

 

P&G dice que, debido a sus esfuerzos educativos continuados, los consumidores entendieron el mensaje y adoptaron PUR. Pero la empresa agrega que no pudo mantener el esfuerzo educativo a la escala necesaria. Así que cambió su plan para incluir en él a una serie de socios. P&G tiene ahora 70 socios que proveen paquetitos PUR, así como información, en más de 50 países. Con esto, ha logrado proveer más de 6.300 millones de litros de agua purificada.

 

La participación es clave

 

Nos EUA, em Portugal e em muitos lados¿Cómo salvar la inercia en la base de la pirámide? La estrategia típica de tratar de convencer a la gente con una campaña informativa con frecuencia es una lucha larga y ardua.

 

En cambio, las compañías deberían empezar involucrando a la comunidad en el proceso de crear, implementar y dar forma al negocio. La sensación de propiedad que esto comporta ayuda a asegurar que el interés en el producto de la compañía será amplio y sostenido.

 

Esa es la idea del Protocolo de la base de la pirámide, un proceso de innovación que yo y algunos colegas hemos desarrollado junto con algunas empresas. Los parámetros han sido puestos a prueba por una subsidiaria de DuPont Co. en India llamada Solae, entre otros.

 

Solae, que produce proteína de soya, acudió a la zona rural del estado de Andhra Pradesh y a un barrio pobre en la ciudad de Huderabad y reclutó a personas interesadas en empezar un negocio. Un grupo de 20 mujeres en los dos lugares se unieron y diseñaron un concepto de negocio: un servicio que ayudaría a las amas de casa a preparar platos sabrosos y saludables usando la soya.

 

Las mujeres pasaron un mes cocinando con la proteína de soya en sus hogares, probando recetas para sus familias y perfeccionando sus dotes culinarias. Luego organizaron eventos comunitarios de cocina en los que invitaron a amigos a los que consideraban expertos en cocina a preparar sus platos insignia usando la proteína de soya. Luego los familiares, amigos y líderes comunitarios podían probar los platos en una fiesta. Pronto pasaron a visitar los hogares de vecinos para ayudar en la preparación de comida saludable con la proteína de soya. Crearon un libro de recetas con los platos inspirados por la comunidad.

 

Tras seis meses, antes de que las mujeres estuvieran listas para lanzar formalmente el negocio, estaban respondiendo a solicitudes diarias de residentes para venderles la proteína de soya. Ahora, esos servicios se encaminan a generar ganancias.

 

Otra estrategia para las empresas que quieren apelar a la base de la pirámide es plantar muchas semillas.

 

En lugar de lanzar sólo un producto, las compañías deberían producir varias ideas, todas relacionadas con la misma tecnología, con la esperanza de que un par de ellas consigan germinar. Las compañías deberían monitorear su oferta de manera regular para ver qué productos deberían obtener más respaldo o perfeccionamiento y cuáles deberían ser abandonados.

 

EUA, Portugal, mundo "desenvolvido e civilizado"Las empresas que se dirijan a consumidores que no estan familiarizados con el concepto del producto y no tienen ningún punto de referencia para determinar su valor, deben promocionar todos los usos posibles del producto. Eso aumenta la posibilidad de que los consumidores hagan el esfuerzo de usar el producto.

 

Una consideración final: al tratar de venderle a la base de la pirámide, las compañías deberían enviar mensajes positivos. En vez de decir que el producto aliviará sus penas, la empresa debe enfatizar cómo el producto hará que sus vidas sean más agradables. (Sublinhado e fotos da responsabilidade do Lux Ad Lucem)

Por Erik Simanis
 
—Erik Simanis es investigador del Centro para Empresas Globales Sostenibles de la Escuela de Administración Johnson de la Universidad de Cornell, en Ithaca, Nueva York.
 
Dizer que as "necessidades são ilimitadas", uma tese muito corrente em Economia, é ver as coisas ao contrário. Ilimitada é a capacidade de as criar. E o objectivo primeiro da sua criação é possibilitar o negócio e não tanto melhorar as condições de vida de quem é escolhido (convencido, moldado) para consumir
 
Evidentemente, dado o drama mundial que representa a pobreza, que não é só um fenómeno dos países do chamado Terceiro mundo, pois cresce também nos EUA e em outros países ditos desenvolvidos, incluindo Portugal, só se pode concluir que o sr. Erik Simanis deve estar a delirar
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2009
Proteger a natureza

 

 

A questão ambiental não é um problema isolado. É uma crise, num conjunto muito grande de crises, que afecta o tecido social. É uma manifestação da doença que corrói o velho e carcomido sistema de organização social que há séculos comanda a sociedade. E é duvidoso que possa ter resposta satisfatória sem se olhar à questão sistémica de onde deriva.
 


publicado por codigo430 às 00:47
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009
Cleptocracia (literalmente, governo de ladrões)

 

"Se há uma guerra de classes nos EUA, o meu lado está a ganhar".


Warren Buffet, investidor multimilionário, 2004

Artigo completo
 

 



publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 21 de Novembro de 2009
Fetichismo del PIB

 

Por: Joseph E. Stiglitz

ESFORZARSE POR REAVIVAR LA ECOnomía mundial al mismo tiempo que se responde a la crisis climática global ha planteado un interrogante complejo:

 

¿las estadísticas nos están dando las “señales” correctas sobre qué hacer? En nuestro mundo orientado hacia el desempeño, las cuestiones de medición han cobrado mayor relevancia: lo que medimos afecta lo que hacemos.

 

Si tomamos malas decisiones, lo que intentamos hacer (digamos, aumentar el PIB) en realidad puede contribuir a empeorar los niveles de vida. También podemos enfrentarnos a falsas opciones y ver compensaciones entre producción y protección ambiental que no existen. Por el contrario, una mejor medición del desempeño económico podría demostrar que las medidas tomadas para mejorar el medio ambiente son buenas para la economía.

Continuar a ler
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009
Descoberta nova espécie de peixe no Nordeste do Brasil

 

E o que fizeram os humanos? Não descansaram enquanto não mataram um exemplar! Era mesmo necessário fazer isso? Não poderiam ter, pelo menos, recolhido mais informação primeiro?
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 17 de Novembro de 2009
Crímenes y criminales a la luz del día

 

El presidente del Banco Mundial declara que "Una mujer muere cada minuto dando a luz, y 500.000 mujeres mueren en el parto cada año" y que "para salvar a tres millones de madres y siete millones de recién nacidos, se necesitan 2.400 millones de dólares en 2009 y 7.000 millones en 2015" (prensa).


He escrito bien: 2.400 millones de dólares en 2009 y 7.000 en 2015.


Pues bien, solo el Banco de Santander y solo durante el primer trimestre de 2009 obtuvo un beneficio de 2.100 millones de euros (Cotizalia), es decir, bastante más de la cantidad que evitaría esas muertes durante 2009. Y los Gobiernos europeos han destinado 3,7 billones de euros en el rescate bancario (Cotizalia). Es decir, más de 2.100 veces lo necesario para ello.


No se me ocurre otro término que el de crimen para calificar todo esto. Y no lo olviden: detrás de un crimen, hay criminales.

Juan Torres López
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 16 de Novembro de 2009
Que insanidade!

 

Que beleza! Que graciosidade! Quanto conhecimento! Quanta ciência! E tudo para quê? Para servir a loucura, o terror, a destruição e a morte.

 

Que desperdício de recursos materiais e de talento humano que tanta falta fazem para tornar a humanidade menos carente e mais feliz.

 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 15 de Novembro de 2009
Gripe A, mejor la inmunidad natural que la artificial

 

Dos profesionales de la salud de la categoría de Juan Gérvas y Jim Wright, catedrático canadiense de Anestesiología, Farmacología y Terapéuticas, no se andan por las ramas ante la vacunación presuntamente masiva que se avecina contra la “pandemia” de la gripe A:
“Si funcionase la vacuna contra la gripe A podría evitar la inmunidad natural que persiste 50 años”.
Es un argumento digno de ser, como mínimo, escuchado o leído en este caso. La aprobación por la estadounidense FDA (la agencia del medicamento del país norteamericano) de las vacunas contra la gripe A (H1N1) abre las puertas para los planes gubernamentales de vacunación masiva en los próximos meses. Los autores de esta información opinan:
“Tales planes son irracionales y se fundan en el miedo y la creación de enfermedades imaginarias, bien lejos una política de “sentido común y tranquilidad”,http://www.cmaj.ca/cgi/eletters/181/6-7/E102. Discrepamos enérgicamente de la vacunación masiva, que se funda en varias falsas premisas. La primera es que la pandemia de gripe A será similar a la “gripe española” de 1919. Ello es improbable, pues aquella pandemia se dio en un mundo empobrecido, sin sistemas sanitarios públicos de cobertura nacional, sin agua corriente y sin antibióticos para tratar las complicaciones. Por ello, la gripe española mató fundamentalmente a los pobres, como bien demuestra el ejemplo en la India, donde afectó gravemente a los soldados hacinados en barracones, mal alimentados y en pésimas condiciones higiénicas, mientras respetó a los oficiales, bien alimentados y alojados en sus casas estilo británico”.
Continuar a ler
 


publicado por codigo430 às 21:57
link do post | comentar | favorito
|

U.S. leads world in foreign weapons sales: report

 

WASHINGTON (Reuters) - The United States accounted for more than two-thirds of foreign weapons sales in 2008, a year in which global sales were at a three-year low, The New York Times reported on Sunday.

 

Citing a congressional study released on Friday, the Times said the United States was involved in 68.4 percent of the global sales of arms.

 

U.S. weapons sales jumped nearly 50 percent in 2008 despite the global economic recession to $37.8 billion from $25.4 billion the year before.

 

The jump defied worldwide trends as global arms sales fell 7.6 percent to $55.2 billion in 2008, the report said. Global weapons agreements were at their lowest level since 2005.

 

Italy, the second ranked country, amassed only $3.7 billion in arms sales, while Russia ranked third with sales falling to $3.5 billion in 2008, down from $10.8 billion in 2007.

 

The report attributed the increase in U.S. sales to "major new orders from clients in the Near East and in Asia" as well as to continued contracts for equipment and support services with globally based U.S. clients, the Times said.

 

The United States also led in arms sales to the developing world, signing 70.1 percent of these weapons agreements at a value of $29.6 billion in 2008, the report said.

 

Such deals with the developing world included a $6.5 billion air defense system for the United Arab Emirates, a $2.1 billion jet fighter for Morocco and a $2 billion attack helicopter for Taiwan.

 

India, Iraq, Saudi Arabia, Egypt, South Korea and Brazil also reached weapons deals with the United States, the Times said.

 

The report revealed the United Arab Emirates was the top buyer of arms in the developing world with $9.7 billion in arms purchases in 2008.

 

Saudi Arabia ranked second with $8.7 billion in weapons agreements, and Morocco was third with $5.4 billion in deals.

 

É evidente que para que esse comércio prospere não pode haver paz. Em todo o mundo tem de ser cultivado o medo, a tensão e o conflito.

 

A Humanidade tem de encontrar outros caminhos, que permitam banir para todo o sempre esse negócio horrendo.

 
 
Infelizmente, os EUA não param! Apesar do seu orçamento militar já ser enorme, o maior do mundo, ainda pretendem aumentá-lo mais:
Em 28 de Outubro o presidente Barack Obama assinou o Defense Authorization Act de 2010, o maior orçamento militar da história dos EUA

Ele é não só o maior orçamento militar do mundo como também é maior do que as despesas militares somadas de todo o resto do mundo. E é um crescimento imparável. O orçamento militar de 2010 — o qual não cobre nem mesmo muitas despesas relacionadas com a guerra — chega aos US$680 mil milhões. Em 2009 era de US$651 mil milhões e em 2000 de US$280 mil milhões. Mais do que duplicou em 10 anos.
Resistir
É impensável qualquer tentativa séria para resolver os muitos problemas internacionais enquanto o militarismo tiver esta força nos EUA e em outros países também.
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 14 de Novembro de 2009
OMC aponta ilegalidade nas ajudas europeias à Airbus

 

Pode ser. Mas a situação colide directamente com as teorias do "mercado livre" que alguns defendem acerrimamente e que, pelo menos no discurso oficial e académico, têm norteado as políticas económicas dos governos do ocidente, que, por seu lado, não se cansam de as recomendar e até impor a vários países do mundo dito subdesenvolvido.
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 13 de Novembro de 2009
Mafias farmacéuticas

 

Ignacio Ramonet, Le Monde Diplomatique

Muy pocos medios de comunicación lo han comentado. La opinión pública no ha sido alertada. Y sin embargo, las preocupantes conclusiones del Informe final (1), publicado por la Comisión Europea el pasado 8 de julio, sobre los abusos en materia de competencia en el sector farmacéutico merecen ser conocidas por los ciudadanos y ampliamente difundidas.
Ler aqui
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 11 de Novembro de 2009
O que vale para uns não vale para outros?

 

O ministro da Economia, Inovação e Desenvolvimento, Vieira da Silva afirmou hoje que um aumento salarial de 1,5 por cento em 2010 poderá «não ser sustentável», defendendo que devem ser seguidas políticas salariais ajustadas ao actual ciclo económico

 

«Não será sustentável seguirmos políticas de rendimentos e políticas salariais desajustadas do ciclo económico em que vivemos, pois não vejo como é possível que a riqueza seja distribuída se não for criada consistentemente», disse o ministro

SOL
No mesmo jornal e no mesmo dia:
Cinco maiores bancos lucram quase 1,5 mil milhões de euros
Os lucros dos primeiros nove meses de 2009 do BES, BCP, BPI, Caixa-Geral de Depósitos e Santander Totta subiram 6,7 por cento, em termos homólogos, para 1.437,6 milhões de euros, ou seja, mais de cinco milhões de euros por dia
SOL

O que tem para dizer sobre isto o ministro Vieira da Silva. Subir os salários em 1,5% pode não ser sustentável, afirmou.

 

E aumentos de lucros de 6,7% (mais de cinco milhões de euros por dia) já são sustentáveis?

 

Como o sr. ministro nada disse ainda, aguarda-se com impaciência o esclarecimento.

 


publicado por codigo430 às 23:06
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009
O embuste de David Ricardo

 

Falso: A vantagem comparativa no livre comércio é uma fórmula sempre vencedora (win-win) para ambos os parceiros comerciais.

Facto: A vantagem comparativa tem um custo fatal para o parceiro que abre mão do desenvolvimento tecnológico em favor da eficiência económica no comércio. Ricardo, ao analisar o comércio entre a Grã-Bretanha e Portugal, deixou de destacar que ao concentrar-se na produção de tecidos, os quais exigiam mecanização, a Grã-Bretanha ganhou uma economia mecanizada que lhe deu uma marinha moderna para assumir o comando do império português. Porque Portugal preferiu produzir vinho em troca do tecido britânico, ele permaneceu uma economia agrícola tecnologicamente subdesenvolvida e ao seu tempo deixou de ser uma grande potência.

Solução: Numa ordem mundial de estados soberanos, economias nacionais fracas devem procurar reerguer-se através do nacionalismo económico.

A lição não aprendida de 1929

por Henry C.K. Liu
 

Infelizmente, o apoio à matreirice de David Ricardo - que escreveu a pensar nos interesses ingleses, obviamente - entre os pensadores económicos portugueses é muito grande, para não dizer que é esmagadoramente maioritário.

 

Que bom seria que nas nossas universidades  portuguesas se compreendesse que a 'Economia' que é boa para a Inglaterra , ou qualquer outro país, não é necessáriamente boa para Portugal.

 


publicado por codigo430 às 22:53
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 3 de Novembro de 2009
Os professores, o ensino, as escolas não são cobaias do Governo

 

É lamentável a atitude de José Sócrates de teimar no que fracassou e tanta indignação gerou. Evidentemente, nada aprendeu com os resultados eleitorais. Continua arrogante e autoritário como sempre.
 

tags:

publicado por codigo430 às 00:56
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009
Reitor diz que Universidade de Évora não é sustentável

 

Palavras pertinentes, que desnudam toda a actividade governamental para o sector, a merecerem toda a atenção, apesar de pronunciadas no âmbito de um acontecimento sumamente criticável, a saber, a dignificação do lamentável processo de Bolonha.
 

tags: ,

publicado por codigo430 às 00:18
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 1 de Novembro de 2009
Isabel Alçada

 

Aqui me têm como sou, dizendo aos que têm a generosidade de me ler o que me vai na alma. Não sou hipócrita nem cultivo falsos respeitos. Se vejo claro o que aí vem, por que insípida postura me iria escudar em convenientes benefícios de dúvida? Qual benefício para quem afirmou, com sorriso de leste a oeste, à espera dos aplausos da plateia, dar o seu “inteiro apoio à política educativa que tem vindo a ser seguida” e considerar “que é importante a prossecução e aprofundamento do trabalho que tem vindo a ser realizado”?

 

Esta é a segunda referência escrita que faço à actual ministra da Educação. A anterior já me valeu 3 mimos: inconveniente, radical e extremista. Assim seja. Sou inconveniente para os dissimulados e radical para os que se especializaram em protelar. Aceito o extremismo. Mas mais extremistas que eu são os que atacaram extremamente os professores, a escola pública e o ensino sério. E esses vão continuar, enquanto não se lhes responder de forma extremamente resoluta.

De Isabel Alçada conheciam-se meia centena de livros de fantasias para crianças. Mas nenhuma ideia expressa sobre Educação, para adulto ler. Hoje já temos 3 discursos políticos, bem recentes, e um quadro de comunicação não verbal, que só escapa aos incautos. Tudo visto, são discursos que revelaram uma organização de ideias confrangedora, recheados dos clichés repetidos ad nauseam durante os últimos 4 anos, medíocres do ponto de vista da semântica e da construção frásica, onde os erros de concordância surpreendem.
 
Ficou-lhe mal elogiar tanto o seu Plano Nacional de Leitura. Esse e o da Matemática. Os planos nacionais são expedientes a que se recorre quando as primeiras instâncias falham e não se sabe corrigir o que está mal. Custam muito dinheiro, jogado em cima do que já existe para obter os mesmos resultados. No caso da leitura, o plano sucedeu a anos a menosprezar o ensino do Português, a substituir os clássicos por panfletos de cordel e a tornar a gramática para crianças numa charada de linguistas. No que toca à Matemática, entregou-se a concepção e a execução do plano aos que tinham sido apontados como responsáveis pela situação que o mesmo se propunha corrigir. Sem mais! Esta é a sinopse do verdadeiro contexto de elogios ocos.
 
Ficou-lhe mal dizer que o Magalhães e o plano tecnológico nos tinham colocado na primeira linha do desenvolvimento. São tiques de deslumbramento terceiro-mundista, sem credibilidade, que minam o desejável recato de qualquer começo. Ficou-lhe mal a alusão encomiástica às novas oportunidades e ao ensino profissional. Os professores sabem que, descontadas poucas situações de funcionamento sério, uma e outra iniciativa são farsas e manipulações grosseiras das pessoas e das instituições. Ficou-lhe muito mal a protecção que deu à clausura das crianças na escola, de sol a sol, e a cobertura que não regateou à moderna escravização administrativa dos docentes. Foi-lhe desfavorável a versão, inverosímil, segundo a qual o convite e a aceitação surgiram momentos após a sua declaração pública em contrário e escassas horas antes do anúncio oficial. Aceitaram os que acreditam no Pai Natal. Numa palavra, fez o suficiente para que nenhum professor prudente acredite nela. Para início e em tão pouco tempo, pior seria difícil.
 
Não espanta que Isabel Alçada seja ministra sem anteriormente ter sentido necessidade de dizer o que pensa do sistema educativo. Sócrates pensará por ela. Lurdes Rodrigues já pensou por ela. Aliás, no fim da cerimónia de remodelação governamental, a agora ex-ministra foi profética quando sublinhou, repetidas vezes, com o cinismo que a caracteriza, a sua muita confiança no novo governo. Os mais atentos sabem que tem razão, porque Isabel Alçada não tem identidade política. Melosa e sorridente, foi alistada para continuar a contar histórias, agora aos professores. Da política tratará Sócrates, Silva Pereira, Santos Silva e Francisco Assis.
 
Fala-se muito no poder da Assembleia da República para corrigir os erros de política educativa da anterior legislatura. Mas desvaloriza-se, nessa fé, a circunstância de Sócrates não os reconhecer. Desvaloriza-se, nessa compreensível ânsia de sacudir um jugo de 4 anos, que uma coisa é a cavalgada fácil do descontentamento generalizado, para colher votos, outra é entender a importância estratégica da Educação. Como tal, a realidade mostra que os partidos, todos os partidos, a ignoram.
 
Imediatamente após ter sido indigitado primeiro-ministro, Sócrates assumiu, para espanto dos sensatos, que tanto lhe dava uma coligação com o PSD, como com o PCP, CDS ou BE. Revelou assim, sem delongas, a ideologia do PS que lidera e a manhosice que porá na navegação táctica que se segue. Na peugada, aliás, recordo-o para os de memória curta, de Soares e Guterres: o primeiro meteu rapidamente o socialismo na gaveta, para governar com o CDS; o segundo trocou sem rebuços a coerência política por umas fatias de queijo Limiano.
 
Com este pano de fundo, espera-nos uma aventura de curvas à direita e contra-curvas à esquerda. No primeiro cruzamento, podemos ser surpreendidos por um paradoxo: para suspender tacticamente um modelo de avaliação do desempenho que já não existe, reforçaremos estrategicamente um poder que se instala sob a nossa ingenuidade. Não me entendem? Estejam atentos aos próximos capítulos!
 
Santana Castilho
 
Público de 28/10/09
 

tags:

publicado por codigo430 às 22:16
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 30 de Outubro de 2009
Afinal, quantas doses são precisas?

 

Gripe A H1N1: Todas as vacinas são seguras para grávidas e uma dose é suficiente para a imunização - OMS

 
Mesmo um não entendido não pode deixar de se interrogar sobre se há precedentes de se ter alterado a dose considerada necessária de um medicamento em tão pouco tempo.
 


publicado por codigo430 às 22:33
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 29 de Outubro de 2009
Encontro da Fenprof e da FNE com o CDS/PP

 

O PS quer que se acredite que está aberto ao diálogo quando mantém aberta aversão à FENPROF, a organização sindical mais representativa?

 

São uns brincalhões, estes socialistas.

 


publicado por codigo430 às 22:42
link do post | comentar | favorito
|

Insultuoso

 

 1.º O jornalista da RTP insinua que os partidos da oposição estão contra a "avaliação dos professores": "... Uma maioria no parlamento contra a avaliação dos professores"

 

2.º A um eventual entendimento dos partidos da oposição para definirem uma lei sobre esta questão, chama o representante do PS de "maioria negativa", "maioria destrutiva"!

 

É preciso muito desaforo!

 

E o mais grave: esses truquezinhos da televisão onde o governo manda e a linguagem acintosa do dirigente do PS  estão virados para o confronto, não para serenar os ânimos, sossegar as angústias e encontrar soluções de consenso.

 


publicado por codigo430 às 22:21
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009
Mudanças nas reservas internacionais da China

 

 

A China prevê aumentar o volume das suas reservas internacionais em euros e ienes e reduzir a importância do dólar nas mesmas. Qual será o impacto nas finanças internacionais desta medida, logo se verá. Mas a preponderância do dólar não deve manter-se como está actualmente.
 


publicado por codigo430 às 15:56
link do post | comentar | favorito
|

Euro vs US Dollar
[Most Recent Exchange Rate from www.kitco.com]
Siouxsie And The Banshees - Dear Prudence
Coldplay - Paradise (Official)
Peter Gabriel - Games Without Frontiers
Je suis un homme - zazie
Vídeos
posts recentes

Um artigo que arrasa com ...

Proteger a natureza

Cleptocracia (literalment...

Fetichismo del PIB

Descoberta nova espécie d...

Crímenes y criminales a l...

Que insanidade!

Gripe A, mejor la inmunid...

U.S. leads world in forei...

OMC aponta ilegalidade na...

links
tags

vídeos

opinião

cidadania

crise

democracia

economia

avaliação

globalização

humor

informação

outros temas

professores

actividades

música

enriquecimento

ambiente

sociologia

recursos

tve2

eua

informação vídeos

rtp

gripe

militarismo

videos

estudos

ensino

alunos

sic

estatísticas

escola

europeias

visitas de estudo

agricultura

poesia

fenprof

tvi

china

video

fome

divulgação

saramago

cef

iraque

profissional

vídeos tve2

galeano

leap

manifestações

pobreza informação

teoria

tve1

espinho

petróleo

técnico de secretariado

turismo

dia mundial

guerra

honduras

rosa

brasil

coltan

cultura

democracy

emigração

informação tve2

jn

laranjeira

outros temas vídeos

porto

sindicatos

colóquios

desigualdade

direito

economia tve2

estado

expresso

frases

galbraith

galeano tve2

gripe vídeos

obama

ocde

palestina

pedagogia

pobreza

privado

público

redes sociais

rt

técnico de comércio visitas de estudo

afeganistão

água informação vídeos

bbc

cgtp

chossudovsky

educação

fne

irão

manuel freire

todas as tags

Dívida Pública Mundial e por país

Tocar na imagem!
Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
arquivos

Outubro 2016

Dezembro 2015

Setembro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Maio 2006