Blogue de opinião e divulgação.

Quinta-feira, 1 de Outubro de 2009
aqui

 

o importante
é estar
aqui

sem desistir de lutar

hoje
amanhã
toda a vida

até o dia chegar






vieira da silva
 
palavras com sentido


publicado por codigo430 às 20:19
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 15 de Julho de 2009
Matemática Poética

Um Quociente apaixonou-se
Um dia
Doidamente
Por uma Incógnita.

Olhou-a com seu olhar inumerável
E viu-a, do Ápice à Base...
Uma Figura Ímpar;
Olhos rombóides, boca trapezóide,
Corpo ortogonal, seios esferóides.

Fez da sua
Uma vida
Paralela à dela.
Até que se encontraram
No Infinito.

"Quem és tu?" indagou ele
Com ânsia radical.
"Sou a soma do quadrado dos catetos.
Mas pode chamar-me Hipotenusa."

E de falarem descobriram que eram
O que, em aritmética, corresponde
A almas irmãs
A Primos-entre-si.

E assim se amaram
Ao quadrado da velocidade da luz.
Numa sexta potenciação
Traçando
Ao sabor do momento
E da paixão
Rectas, curvas, círculos e linhas sinusoidais.

Escandalizaram os ortodoxos
das fórmulas euclidianas
E os exegetas do Universo Finito.

Romperam convenções newtonianas
e pitagóricas.
E, enfim, resolveram casar-se.
Constituir um lar.
Mais que um lar.
Uma Perpendicular.

Convidaram para padrinhos
O Poliedro e a Bissectriz.
E fizeram planos, equações e
diagramas para o futuro
Sonhando com uma felicidade
Integral
E diferencial.

E casaram-se. Tiveram
uma secante e três cones
Muito engraçadinhos.
E foram felizes
Até àquele dia
em que tudo, afinal,
como tudo o mais se torna monotonia.

Foi então que surgiu
O Máximo Divisor Comum...
Frequentador de Círculos Concêntricos.
Viciosos!

Chegou e ofereceu à Incógnita
Uma Grandeza Absoluta,
tendo-a contudo reduzido a um Denominador Comum.

Ele, Quociente, percebeu claramente,
Que com ela não formava já Um Todo.
Uma Unidade.
Era o Triângulo,
denominado amoroso.
do qual  "ela"constituia a fracção
mais ordinária.
 Foi então, que Einstein descobriu a Relatividade.
E tudo que era expúrio passou a ser Moralidade
Como aliás, em qualquer Sociedade.

 

 

Recebido por mail

 

 

 


tags: ,

publicado por codigo430 às 00:03
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 3 de Junho de 2009
Carta ao filho

 

Não vivas sobre a terra como um estranho

 

Um turista no meio da natureza.

 

Habita o mundo como a casa do teu pai.

 

Crê na semente, na terra, no mar.

 

mas acima de tudo crê nas pessoas.

 

Ama as nuvens,

 

as máquinas,

 

os livros,

 

mas acima de tudo ama o homem.

 

Sente a tristeza do ramo que murcha,

 

do astro que se extingue,

 

do animal ferido que agoniza,

 

mas acima de tudo

 

Sente a tristeza e a dor das pessoas.

 

Alegra-te com todos os bens da terra,

 

Com a sombra e a luz,

 

com as quatro estações,

 

mas acima de tudo e a mãos cheias

 

alegra-te com as pessoas.

Nazim Hikmet
 

tags:

publicado por codigo430 às 18:48
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 14 de Fevereiro de 2009
"Me gustas cuando callas

 

 

 


publicado por codigo430 às 00:08
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009
A voz da liberdade!

 

Falo rouco de razão…
E com os erros perceberás,
Nada mais compensará
Se não houver união!

Vivemos de ideais
Mas os deles não me fascinam
Seus pavões desordeiros
Que de gente pouco têm e de bicho muito menos!

Se nos calarem hoje
Só pela força o farão
Mas levantar-nos-emos amanhã
E a nossa voz ouvirão!

Não me calo, não te cales
Não te demitas da tua obrigação
Não salvarás o mundo
Mas viverás em paz com o coração!

Não aceites o ultrajante casacão
Uma peça que não é tua,
Jamais te caberá!

Nem uma camisa me amarrará
A força da cabeça é a força da razão!
Nesta vida, vivo o meu ideal
Vivo a minha convicção!
Isabel Rodrigues, Professora contratada


publicado por codigo430 às 22:54
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 6 de Fevereiro de 2009
Epitáfio na sepultura de uma velha criada

 

Não chorem por mim, meus amigos,

 

Não chorem por mim, nunca, 

 

Pois não vou fazer nada

 

Para todo o sempre.

Galbraith, John Kenneth, A Fraude Inocente, citando John Maynard Keynes
 

tags: ,

publicado por codigo430 às 23:45
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 18 de Janeiro de 2009
Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores

 

Vem, vamos embora
          Que esperar não é saber
                   Quem sabe faz a hora
                            Não espera acontecer...
Geraldo Vandré
 


publicado por codigo430 às 01:46
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 4 de Janeiro de 2009
A verdade é que deve ser a autoridade

 

"they must find it difficult .... those who have taken authority as the truth, rather than truth as the authority" - Gerald Massey

 

 

Eles devem achar difícil.... Aqueles que consideram a autoridade como sendo a verdade. Ao invés da verdade como sendo a autoridade

 

 



publicado por codigo430 às 22:45
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 20 de Março de 2008
Dar Voz à Poesia

Il Postino

 

 Maneira de bem sonhar

- Adia tudo. Nunca se deve fazer hoje o que se pode deixar de fazer também amanhã. Nem mesmo é necessário que se faça qualquer coisa, amanhã ou hoje.

- Nunca penses no que vais fazer. Não o faças.

- Vive a tua vida. Não sejas vivido por ela. Na verdade e no erro, no gozo e no mal estar, sê o teu próprio ser. Só poderás fazer isso sonhando, porque a tua vida real a tua vida humana é aquela que não é tua, mas dos outros. Assim, substituirás o sonho à vida e cuidarás apenas em que sonhes com a perfeição. Em todos os teus actos da vida real, desde o nascer até ao morrer, tu não ages: és agido; tu não vives: és vivido apenas.

Torna-te, para os outros, uma esfinge absurda. Fecha-te, mas sem bater com a porta, na tua torre de marfim. E a tua torre de marfim és tu próprio.

E se alguém te disser que isto é falso e absurdo não o acredites. Mas não acredites também no que te digo, porque não se deve acreditar em nada.

- Despreza tudo, mas de modo que o desprezar te não incomode. Não te julgues superior ao desprezares. A arte do desprezo nobre está nisso.
Bernardo Soares in Livro do Desassossego
A proposta do Dr. José Neves
 
As mãos

Com mãos se faz a paz se faz a guerra.
Com mãos tudo se faz e se desfaz.
Com mãos se faz o poema – e são de terra.
Com mãos se faz a guerra – e são a paz.

Com mãos se rasga o mar. Com mãos se lavra.
Não são de pedras estas casas mas
de mãos. E estão no fruto e na palavra
as mãos que são o canto e são as armas.

E cravam-se no Tempo como farpas
as mãos que vês nas coisas transformadas.
Folhas que vão no vento: verdes harpas.

De mãos é cada flor cada cidade.
Ninguém pode vencer estas espadas:
nas tuas mãos começa a liberdade.

Manuel Alegre
 

BUCÓLICA

A vida é feita de nadas:

De grandes serras paradas

À espera de movimento;

De searas onduladas

Pelo vento;

 

De casas de moradia

Caídas e com sinais

De ninhos que outrora havia

Nos beirais;

 

De poeira;

De sombra de uma figueira;

De ver esta maravilha:

Meu Pai a erguer uma videira

Como uma mãe que faz a trança à filha.
 Miguel Torga
A proposta da Dr.ª Margarida Lima
 

Cem alívios

Apeteceu-lhe a felicidade,

apeteceu-lhe a verdade,

apeteceu-lhe a eternidade,

olhem-no!

 

Mal distinguiu sonho e realidade,

mal se deu conta de que ele é ele,

mal lhe rompeu em mão a antiga barbatana – fuzil e foguetão,

fácil de afogar numa colher de oceano,

pouco risível até para alegrar o vazio,

só com os olhos vê,

só com os olhos ouve,

o seu recorde na fala é o modo condicional,

persegue a consciência com a consciência

numa palavra: ninguém quase.

Mas na cabeça a liberdade, a omnisciência e o ser

para lá da carne insensata,

olhem-no!

 

Porque decerto ele está,

aconteceu na realidade

guiado por uma estrela de província

Vivo à sua maneira e por inteiro movente.

Para degenerescência do cristal –

bastante seriamente surpreendido

Para tão difícil infância nas privações do rebanho

nem tão mau detalhe assim

Olhem-no!

 

Só um pouco mais à frente, ao menos um segundo,

um revérbero que seja da mais ínfima galáxia!

Que por fim e por alto se revele

quem será, uma vez que está,

E está – obstinado.

Obstinado e muito, reconheçamos.

Com esta bolinha no nariz, esta toga, esta camisa.

Cem alívios, seja como for.

Pobrezito,

Um homem verdadeiro.

Wislawa Szymborrska ( Paisagem com Grão de Areia)

 
 

Silêncio

Assim como no fundo da música

brota uma nota

que enquanto vibra cresce e se adelgaça

até que noutra música emudece,

brota do fundo do silêncio

outro silêncio, aguda torre, espada

e sobe e cresce e nos suspende

e enquanto sobe caem

recordações, esperanças,

as pequenas mentiras e as grandes,

e queremos gritar e na garganta

o grito se desvanece:

desembocamos no silêncio

onde os silêncios emudecem.

Octávio Paz ( Liberdade sob Palavra)

A proposta de Dr.ª Isabel Regina

 
 
URGENTEMENTE

É urgente o amor.

É urgente um barco no mar.

 

É urgente destruir certas palavras,

ódio, solidão e crueldade,

alguns lamentos,

muitas espadas.

 

É urgente inventar alegria,

multiplicar os beijos, as searras,

é urgente descobrir rosas e rios

e manhãs claras.

 

Cai o silêncio nos ombros e a luz

impura até doer.

É urgente o amor, é urgente

permanecer.

Eugénio de Andrade

A proposta da Dr.ª Fernanda Coimbra

 
 
Pátria
Por um país de pedra e vento duro

Por um país de luz perfeita e clara

Pelo negro da terra e pelo branco do muro

Pelos rostos de silêncio e de paciência

Que a miséria longamente desenhou

Rente aos ossos com toda a exatidão

Dum longo relatório irrecusável



E pelos rostos iguais ao sol e ao vento



E pela limpidez das tão amadas

Palavras sempre ditas com paixão

Pela cor e pelo peso das palavras

Pelo concreto silêncio limpo das palavras

Donde se erguem as coisas nomeadas

Pela nudez das palavras deslumbradas



— Pedra rio vento casa 

Pranto dia canto alento 

Espaço raiz e água 

Ó minha pátria e meu centro



Eu minha vida daria

E vivo neste tormento
 
Porque
Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.
Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.
Sophia de Mello Breyner Andresen

 A proposta do Dr. Albertino Pinto

 
A propósito do Dia Mundia da Poesia

tags:

publicado por codigo430 às 04:10
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007
Si el sueño...
Si el sueño no nos permitiera anticipar un mundo diferente. Si la fantasía no hiciera posible esta capacidad un poco milagrosa que el ser humano tiene de clavar los ojos más allá de la infamia.

¿qué podríamos creer?

¿qué podríamos esperar?

¿qué podríamos amar?

Porque en el fondo uno ama al mundo. A partir de la certeza de que en este mundo. Triste mundo, convertido en campo de concentración, contiene otro mundo posible

O sea, que el horror está embarazado de maravilla. Si uno no tuviera esa certeza a prueba de balas a prueba de desencantos y traiciones ¿qué sería de nosotros?

En el fondo el acto de vivir, a pesar de todo, es un acto sagrado de locura.

Albert Camus

tags:

publicado por codigo430 às 21:24
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 2 de Maio de 2007
Une vie d'amour

Une vie d'amour
Que l'on s'était jurée
Et que le temps a désarticulée
Jour après jour
Blesse mes pensées
Tant des mots d'amour
En nos cœurs étouffés
Dans un sanglot l'espace d'un baiser
Sont restés sourds
À tout, mais n'ont rien changé
Car un au revoir
Ne peut être un adieu
Et fou d'espoir
Je m'en remets à Dieu
Pour te revoir
Et te parler encore
Et te jurer encore

Une vie d'amour
Remplie de rires clairs
Un seul chemin
Déchirant nos enfers
Allant plus loin
Que la nuit
La nuit des nuits

Une vie d'amour
Que l'on s'était jurée
Et que le temps a désarticulée
Jour après jour
Blesse mes pensées
Tant des mots d'amour
Que nos cœurs ont criés
De mots tremblés, de larmes soulignées
Dernier recours
De joies désaharmonisées

Des aubes en fleurs
Aux crépuscules gris
Tout va, tout meurt
Mais la flamme survit
Dans la chaleur
D'un immortel été
D'un éternel été

Une vie d'amour
Une vie pour s'aimer
Aveuglément
Jusqu'au souffle dernier
Bon an mal an
Mon amour
T'aimer encore

Et toujours

Paroles: Charles Aznavour. Musique: Georges Garvarentz



Porque o amor, a música e a beleza são parte integrante e muito importante da vida...




publicado por codigo430 às 17:37
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 21 de Fevereiro de 2007
...

Arde a chama,
Lenta a valsa..
Corre o tempo,
Treme a balsa.
De um e outro lado espero
Procuro o que jamais quero
Pois te ter será não ver
A nota que soa a falsa
Sorriso que ajeita a alça
Alma que transmite alento
E desperta
Sensações de um mero Ser.

© Marta Alexandra Duarte


tags:

publicado por codigo430 às 21:08
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 25 de Dezembro de 2006
El Maestro

Con el alma en una nube
y el cuepo como un lamento
viene el problema del pueblo
viene el maestro


el cura cree que es ateo
y el alcalde comunista
y el cabo jefe de puesto
piensa que es un anarquista


le deben 36 meses
del cacareado (mento)
y el piensa que no es tan malo
enseñar (toreando )un sueldo


en el casino del pueblo
nunca le dieron asiento
por no andar politiqueando
ni ser portavoz del cuento


las buenas gente del pueblo
han escrito al menisterio
y dicen que no esta claro
como piensa este maestro


dicen que lee con los niños
lo que escribio un tal Machado
que anduvo por estos vagos
antes de ser exilado

 
les habla de lo inombrable
y de otras cosa peores
les lee libros de versos
y no les pone orejones


al explicar cualquier guerra
siempre se muestra remiso
por explicar claramente
quien vencio y fue vencido


nunca fue amigo de fiestas
ni asiste a las reuniones
de las damas postulantes esposas de los patrones


por estas y otras razones
al fin triunfo el buen criterio
y al terminar el invierno
le relevaron del puesto


y ahora las buenas gentes
tienen tranquilo el sueño
porque han librado a sus hijos
del peligro de un maestro


con el alma en una nube
y el cuerpo como un lamento
se marcha, se marcha el padre del pueblo
se marcha el maestro.

 

PATXI ANDION


tags:

publicado por codigo430 às 18:29
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 23 de Novembro de 2006
Pedra filosofal

António Gedeão no centenário do seu nascimento

 

Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso,
em serenos sobressaltos
como estes pinheiros altos


que em verde e ouro se agitam
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

Eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma. é fermento,
bichinho alacre e sedento.
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel.
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa dos ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é Cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança.,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
para-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra som televisão
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre a mãos de uma criança.
   

tags:

publicado por codigo430 às 23:59
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 29 de Outubro de 2006
...a vida num poema...

Quis ser e não fui...

Lutei e não consegui...

Desejei e sofri...

Amei e percebi...

A vida é assim...

Tem caminhos sem fim...

Trilhos complicados...

Que se tornam por vezes tão amargos...

Amei e perdi...

Lutei e não consegui...

Vi-o partir, e sofri...

Quis correr atrás e não consegui...

Hoje percebi...

Que não tinha que ser assim...

Que aquilo que sou, e que sofri...

Me tornou numa mulher e venci...

 

Sara Coutinho


tags:

publicado por codigo430 às 18:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 23 de Outubro de 2006
António Aleixo

 

Este livro que vos deixo

E que a minha alma ditou,

Vos dirá como o Aleixo

Viveu, sentiu e pensou

 

Eu não tenho vistas largas,
Nem grande sabedoria,
Mas dão-me as horas amargas
Lições de filosofia.
À guerra não ligues meia,
Porque alguns grandes da terra,
Vendo a guerra em terra alheia,
Não querem que acabe a guerra.
Vemos gente bem vestida,
No aspecto desassombrada;
São tudo ilusões da vida,
Tudo é miséria dourada.
Após um dia tristonho
de mágoas e agonias
vem outro alegre e risonho:
são assim todos os dias

A vida é o dia de hoje,

A vida é ai que mal soa,

A vida é sombra que foge,

A vida é nuvem que voa;

A vida é sonho tão leve

Que se desfaz como a neve

E como o fumo se esvai;

A vida dura um momento,

Mais leve que o pensamento,

A vida leva-a o vento,

A vida é folha que cai!

A vida é flor na corrente,

A vida é sopro suave,

A vida é estrela cadente,

Voa mais leve que a ave;

Nuvem que o vento nos ares,

Onda que o vento nos mares,

Uma após outra lançou.

A vida - pena caída

Da asa de ave ferida -

De vale em vale impelida

A vida o vento a levou!

Sei que pareço um ladrão...
mas há muitos que eu conheço
que, sem parecer o que são,
são aquilo que eu pareço.

Eu não tenho vistas largas

nem grande sabedoria,

mas dão-me as horas amargas

Lições de Filosofia.

P'ra a mentira ser segura
e atingir profundidade,
tem de trazer à mistura
qualquer coisa de verdade.

Que importa perder a vida

em luta contra a traição,

se a razão, mesmo vencida

não deixa de ser Razão.

Embora os meus olhos sejam

os mais pequenos do Mundo,

o que importa é que eles vejam

o que os homens são no fundo.

Uma mosca sem valor

poisa c’o a mesma alegria

na careca de um doutor

como em qualquer porcaria.

Co'o mundo pouco te importas
porque julgas ver direito.
Como há-de ver coisas tortas
quem só vê o seu proveito?
À guerra não ligues meia,
porque alguns grandes da terra,
vendo a guerra em terra alheia,
não querem que acabe a guerra.
Vós que lá do vosso império
prometeis um mundo novo,
calai-vos, que pode o povo
q'rer um mundo novo a sério.

Entre leigos ou letrados,  

fala só de vez em quando,

que nós, às vezes, calados,
dizemos mais que falando.

Gosto do preto no branco,
como costumam dizer:
antes perder por ser franco
que ganhar por não ser.
Quando os homens se convençam
que a força nada faz,
serão felizes os que pensam
num mundo de amor e paz
   
 

este livro que vos deixo, notícias editorial


tags:

publicado por codigo430 às 12:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 19 de Outubro de 2006
Ser professor

Ser professor é ser artista, malabarista,

pintor, escultor, doutor,

musicólogo, psicólogo...

É ser mãe, pai irmã e avó,

é ser palhaço, estilhaço,

É ser ciência, paciência...

É ser informação,

é ser acção.

É ser bússola, é ser farol.

É ser luz, é ser sol.

Incompreendido?... Muito.

Defendido? Nunca.

O seu filho passou?...

Claro, é um génio.

Não passou?

O Professor não ensinou.

 

Ser Professor...

É um vício ou vocação?

É outra coisa...

É ter nas mãos o mundo de

Amanhã

                                                                              

Amanhã

os alunos vão-se...

e ele, o mestre, de mãos vazias,

fica com o coração partido.

Recebe novas turmas,

novos olhinhos ávidos de cultura

e ele, o Professor,

vai despejando

com toda a ternura,

o saber, a Orientação

nas cabecinhas novas que

amanhã

luzirão no firmamento da

Pátria.

Fica a saudade...

a Amizade.

O pagamento real?

Só na eternidade.


tags:

publicado por codigo430 às 23:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Euro vs US Dollar
[Most Recent Exchange Rate from www.kitco.com]
Siouxsie And The Banshees - Dear Prudence
Coldplay - Paradise (Official)
Peter Gabriel - Games Without Frontiers
Je suis un homme - zazie
Vídeos
posts recentes

aqui

Matemática Poética

Carta ao filho

"Me gustas cuando callas

A voz da liberdade!

Epitáfio na sepultura de ...

Pra Não Dizer Que Não Fal...

A verdade é que deve ser ...

Dar Voz à Poesia

Si el sueño...

links
tags

vídeos

opinião

cidadania

crise

democracia

economia

avaliação

globalização

humor

informação

outros temas

professores

actividades

música

enriquecimento

ambiente

sociologia

recursos

tve2

eua

informação vídeos

rtp

gripe

militarismo

videos

estudos

ensino

alunos

sic

estatísticas

escola

europeias

visitas de estudo

agricultura

poesia

fenprof

tvi

china

video

fome

divulgação

saramago

cef

iraque

profissional

vídeos tve2

galeano

leap

manifestações

pobreza informação

teoria

tve1

espinho

petróleo

técnico de secretariado

turismo

dia mundial

guerra

honduras

rosa

brasil

coltan

cultura

democracy

emigração

informação tve2

jn

laranjeira

outros temas vídeos

porto

sindicatos

colóquios

desigualdade

direito

economia tve2

estado

expresso

frases

galbraith

galeano tve2

gripe vídeos

obama

ocde

palestina

pedagogia

pobreza

privado

público

redes sociais

rt

técnico de comércio visitas de estudo

afeganistão

água informação vídeos

bbc

cgtp

chossudovsky

educação

fne

irão

manuel freire

todas as tags

Dívida Pública Mundial e por país

Tocar na imagem!
Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
arquivos

Outubro 2016

Dezembro 2015

Setembro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Maio 2006