Blogue de opinião e divulgação.
Sábado, 28 de Março de 2009
Compreender a comunicação social

 

 


publicado por codigo430 às 06:00
link do post | comentar | favorito

Filósofo popular

 

 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 27 de Março de 2009
Que civilização? Um olhar da América Latina!

 

 


publicado por codigo430 às 18:33
link do post | comentar | favorito

O conceito de Educação

 

 Ao cuidado de algumas organizações de pais.

 

Porque moderno é exigir horários de trabalho que lhes garantam tempo para si, para a sua família, para acompanhar e educar os filhos e não deixarem-se subjugar por uma organização do trabalho que lhes desarranja por completo a vida a si e aos seus.

 

Porque civilizatório é privilegiar os direitos e bem-estar das pessoas, do ser humano e não deixar-se arrastar por conceitos de um economicismo alienante, que sacrificam a felicidade das pessoas, cada vez mais geradores de incerteza, insegurança e mal-estar.

 O Pafúncio
 


publicado por codigo430 às 12:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Um olhar africano sobre África

 

 


publicado por codigo430 às 06:47
link do post | comentar | favorito

Um outro olhar sobre a globalização

 

 Do fime de Silvio Tendler, Encontro com Milton Santos
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 26 de Março de 2009
A Incógnita chinesa!

 

 

tags: ,

publicado por codigo430 às 18:00
link do post | comentar | favorito

Os agentes da mudança histórica

 

 

A ver vamos se essa perpectiva é confirmada pelos acontecimentos.
 


publicado por codigo430 às 12:00
link do post | comentar | favorito

La crisis económica y la crisis de la enseñanza de la economía

 


La crisis económica por la que atraviesa el mundo desarrollado no tiene en modo alguno una naturaleza azarosa. No ha sido un suceso impredecible y tampoco ha sorprendido a todos los economistas. La actual crisis es, de hecho, producto de decisiones económicas concretas que son fácilmente identificables y que responden a ideologías muy bien definidas.


Sin embargo, pocos economistas han sido capaces de alertar acerca de los peligros que se gestaban en las economías desarrolladas, mientras que sí han sido muchos los que se han pasado años repitiendo que en realidad todo iba viento en popa. No obstante, si atendemos a los desiguales efectos que en las distintas capas sociales han provocado las políticas de los últimos años, comenzamos a comprender por qué algunos prefirieron mirar hacia otro lado a sabiendas de lo que podía ocurrir. Más aún, si analizamos la composición de los planes de estudio que se siguen en las facultades de economía encontramos la razón que explica el resto, es decir, la absoluta incapacidad de la mayoría de los economistas a la hora de analizar la realidad económica y de prever que una crisis de la magnitud de la que estamos empezando a sufrir pueda tener lugar.


En efecto, la inmensa mayoría de los recién licenciados en economía son incapaces de comprender la crisis actual y los mecanismos que la originaron porque, sencillamente, jamás tuvieron oportunidad de aprender cómo funciona realmente una economía capitalista como en la que vivimos. Las sucesivas reformas en los planes de estudio, que próximamente y a instancias del proceso de Bolonia volverán a cambiar, han ido deteriorando la calidad de la enseñanza hasta el punto de que algunas facultades carecen hoy en día de asignaturas que en otro tiempo fueron consideradas esenciales.


Así, actualmente los estudiantes se encuentran en clase frente a modelos matemáticos, levantados sobre unos supuestos absolutamente irreales, que en nada ayudan a comprender la realidad en la que se ancla la economía. Y es precisamente para facilitar el estudio de dichos modelos por lo que los estudiantes reciben también una gran cantidad de clases de matemáticas, estadística y econometría. En este marco, las asignaturas que analizan las estructuras económicas, las historias económicas y las historias del pensamiento económico han pasado a segundo plano si es que no han desaparecido directamente.


De este modo, los nuevos economistas son capaces de desarrollar modelos analíticos, así como de llevar la contabilidad y de calcular costes y beneficios de actividades  económicas concretas, pero son por lo general incapaces de comprender la dinámica del sistema económico capitalista y sus mecanismos fundamentales. Y sin las herramientas adecuadas, los nuevos economistas tienen muy difícil contrastar las distintas opciones en materia de política económica, de la misma forma que carecen de los conocimientos históricos suficientes para encontrar fenómenos similares en el pasado que ayudarían a entender muy bien lo que está pasando en la actualidad.


Y, en estas condiciones, es muy probable llegar a la conclusión de que las crisis son accidentes temporales debidos a una mala regulación o gestión y no, como demuestra la historia, fenómenos cíclicos que se producen en el marco de un sistema económico sujeto a una determinada lógica y que tiene que soportar sus propias contradicciones y limitaciones.


La actual crisis está poniendo de relieve también la incompetencia de muchos de los profesores, que durante años han explicado ficticios modelos de competencia perfecta con mercados que en condiciones de libre competencia se ajustan automáticamente, y que ahora tienen que vérselas con la difícil realidad ante las preguntas de los alumnos: ¿Por qué el dinero no fluye hacia la economía real? ¿Por qué con bajos tipos de interés no mejora el consumo y la inversión? ¿Por qué los paraísos fiscales se persiguen ahora mientras que antes abogábamos por hacer del mundo un gran paraíso fiscal? ¿Por qué nadie nos ha hablado de modelos productivos y nos ha avisado de los riesgos de la especialización en la construcción y el turismo? ¿Por qué para salvar la economía las autoridades tienen que recurrir al Estado, esa misma institución que en las clases se dice no debería tener apenas capacidad de intervención? ¿Por qué si la razón de ser de la rentabilidad de las inversiones es el riesgo asumido en ellas, cuando ese riesgo se materializa el Estado salva a proteger con el dinero de todos a quienes lo han corrido? Preguntas éstas, como muchas otras, que los profesores no saben responder al formarse muchos de ellos también con planes de estudio similares a los vigentes.


Visto lo visto muchos de estos profesionales deberían ser acusados de negligencia grave, porque su actividad está impidiendo que los nuevos economistas sean capaces de afrontar los duros retos que impone la realidad. Y eso tiene unos costes sociales altísimos en muchas formas: desempleo, desigualdad, pobreza, marginación, conflictos sociales… En suma, una gran destrucción económica y social.


Es necesario, por lo tanto, cambiar esta situación de raíz. Hay que finalizar la deriva pseudo-científica de la ciencia económica y volver a situarla sobre la realidad de la economía capitalista. Para ello es urgente reformar los planes de estudio, pluralizando las posiciones ideológicas que implícitamente se encuentran tras los modelos económicos, rescatando la preferencia por las asignaturas estructurales e históricas y estableciendo nuevos nexos con otras ramas de la ciencia social. Ésta es la única manera de lograr que los economistas de las generaciones venideras sepan comprender, explicar y denunciar los riesgos que conllevan determinadas políticas y sistemas económicos, sin que esto sea únicamente un ejercicio ideológico carente de fundamento. Que es, como se ve a la luz de los hechos, lo que sucede hoy en día.

escrito por Consejo de Redacción ECCE
O negrito é do blog.
 


publicado por codigo430 às 06:00
link do post | comentar | favorito

Platão

 

 
 
 
 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 25 de Março de 2009
Mais uma embrulhada do Governo!

 

Inacreditável! Não têm emenda!
"O Tribunal Administrativo de Lisboa aceitou uma providência cautelar interposta pela FENEI/SINDEP que suspende o concurso de colocação de docentes."
Sol
"O Ministério da Educação entregou uma resolução fundamentada para impedir a suspensão do concurso de colocação de docentes. Mas o secretário de Estado Valter Lemos garante que não irá «deixar passar em claro a atitude irresponsável dos sindicatos» que tentaram suspender o processo e que vai pedir indemnizações aos sindicalistas."
Sol
Só este Valter para divertir o pessoal. O Governo, incapaz de não ser trapalhão, pôe-se a espingardear para todo o lado quando lhe dizem: 'Mas, isso assim não pode ser'.
E sobre o caso do concurso para o ensino de espanhol:
 


publicado por codigo430 às 22:31
link do post | comentar | favorito

28 hurt as Israel extremists march in Arab town

 

 

Situações destas, se continuarem, podem conduzir a desastrosos desenvolvimentos.
 


publicado por codigo430 às 18:04
link do post | comentar | favorito

António Capela

 

 

 

Domingos Capela foi o pioneiro. Filho e neto seguiram-lhe os passos

O acaso, seja lá isso o que for, tem sempre influência nas grandes histórias. Esta passou-se, e ainda se passa, em Espinho, mais propriamente na freguesia de Anta. Em 1924, contava então 20 anos, Domingos Capela viu cair-lhe nas mãos um violino a precisar de arranjo, propriedade de um músico brasileiro de origem italiana, Nicolino Milano, que vivia temporariamente por cima da oficina onde o jovem marceneiro trabalhava. A missão foi de tal forma cumprida que marcou o início de uma dinastia, não de reparadores mas de construtores de violinos. Hoje, os Capela são conhecidos em todo o mundo. Mas continuam em Espinho, na freguesia de Anta.

Foi lá que o DN se encontrou com António Capela, 75 anos, e Joaquim António, 40, respectivamente filho e neto de Domingos, falecido em 76 - todos eles multipremiados em concursos internacionais do métier. "O meu pai fez o primeiro violino em 1924, o primeiro violoncelo em 25 e o primeiro contrabaixo em 27", conta António. "Com as tunas que aqui havia e, depois, as orquestras de câmara que vinham ao Casino de Espinho, espanholas, francesas, italianas, o trabalho dele expandiu--se internacionalmente, mais ainda a partir do momento em que apareceram o Conservatório e a primeira Orquestra Sinfónica do Porto. Daí para a frente foi sempre a trabalhar para grandes artistas portugueses e estrangeiros", prossegue.
Propostas para rumar a Lisboa não lhe faltaram, mas Domingos resistiu. Mais tarde, diria ao filho: "Eu não fui para a cidade, mas a cidade veio ter comigo." A cidade e o mundo, ou a marca Capela não andasse hoje por todos os pontos do globo, "da América a Inglaterra, da Austrália ao Japão". Falaram mais alto as raízes. "Ele nunca foi ao estrangeiro, a não ser quando eu me encontrava em Itália", lembra António, que nos anos 60 estagiou lá fora, como bolseiro da Gulbenkian, primeiro em Paris, na casa Vatelot, depois em Cremona, na escola onde se faziam os Stradivarius.
Esse período, diz, foi importantíssimo. "Parecia-me outro mundo. Recordo-me de, na Rue de Rome, ter ficado abismado por ver construtores porta sim, porta não." O certo é que, mesmo persuadido a isso, não quis ficar. "Como foi o meu pai quem me convenceu a sair do País, fiz uma promessa de não o abandonar enquanto fosse vivo. E até para grandes casas de Nova Iorque e Filadélfia fui convidado", revela.
O filho, esse, estagiou três vezes nos EUA. "Teve mestres que lhe disseram: 'A maior asneira que o seu pai fez foi não ter vindo para a América.' Mas se eu tivesse ido ele não tinha nascido", contrapõe, seguro de que, um dia, quando deixar de trabalhar, "o ofício fica bem entregue".
Uma coisa, porém, é certa: as mãos de Domingos, António e Joaquim António são diferentes. "Eu não consigo imitar o meu pai. Aliás, nem a mim próprio, de trabalho para trabalho", diz António Capela. A razão é óbvia: "A mão não é uma máquina que produz milhares de peças iguais - e aqui não há máquinas, só goivas, plainas e a habilidade do artista. E lixa quanto baste. Já dizia o meu pai: nós lixamos o instrumento e depois lixamos o cliente."
Considerados os Stradivarius portugueses ("com algum fundo de verdade"), os Capela constroem vários instrumentos de cordas, não só o violino. Quanto aos preços que praticam, o segredo é a alma do negócio. "Se eu dissesse, pensavam que ganhava muito dinheiro. Primeiro, as madeiras de qualidade são caríssimas. Depois, não se encontram madeiras velhas em nenhuma parte do mundo, e nós não fazemos um violino, uma viola de arco ou um violoncelo com menos de 15 anos, porque a madeira quanto mais seca estiver mais ressonância tem", explica.
Com um construtor já não se passa o mesmo. "A partir de certo ponto, há uma decadência, mas eu ainda não cheguei lá. Espero trabalhar mais uns anos", confessa. E, pela vitalidade que transmite, não custa a crer que o faça. Talvez possa, até, repetir com o filho a alegria que sentiu com o pai, em 1972, quando açambarcaram os quatro primeiros prémios de um concurso de construtores de violinos na Polónia. "Foi inédito na história daquele concurso. Com a emoção, as lágrimas caíram-me pela face abaixo", conta.
 
Trabalho realizado no âmbito da disciplina de Sociologia, no capítulo da 'Cultura'.
 


publicado por codigo430 às 15:44
link do post | comentar | favorito

Cimeira do G20 em Londres: a última oportunidade antes da deslocação geopolítica mundial

 

Carta aberta aos dirigentes do G20
Senhores e Senhoras:

Resta-vos menos de um semestre para evitar que o planeta afunde numa crise de que será preciso mais de uma década para sair, com um terrível cortejo de infelicidades e de sofrimentos. Esta carta aberta do LEAP/E2020, que desde Fevereiro de 2006 havia anunciado a iminência de uma "crise sistémica global", pretende tentar indicar-vos resumidamente porque assim é e como evitá-lo.

Com efeito, se os senhores começaram a suspeitar da amplitude da crise há menos de um ano, foi em Fevereiro de 2006, na 2ª edição do seu "Global Europe Anticipation Bullletin" (GEAB), que o LEAP/E2020 anunciou a entrada do mundo na "fase de desencadeamento" de uma crise de amplitude histórica. E desde esta data, o LEAP/E2020 continuou, a cada mês, a antecipar de uma maneira muito fiável as evoluções da crise na qual o mundo inteiro se debate doravante. O que nos levou a vos escrever esta carta aberta com a esperança de que ela esclarecerá as vossas escolhas daqui a alguns dias.

Esta crise agrava-se perigosamente. Recentemente, por ocasião da 32ª edição do seu boletim, o LEAP/E2020 lançou um alerta muito importante que vos concerne directamente, vós os dirigentes do G20: se, reunidos em Londres a 2 de Abril próximo, não forem capazes de adaptar decisões audaciosas e inovadoras concentrando-se no essencial, e iniciar a sua execução daqui até o Verão de 2009, então no fim deste ano a crise entrará na fase de "deslocação geopolítica generalizada" que afectará tanto o sistema internacional como a própria estrutura das grandes entidades políticos como os Estados Unidos, a Rússia, a China ou a UE. E os senhores então já não controlarão mais nada para a infelicidade dos seis mil milhões de habitantes do nosso planeta.

Vossa opção: uma crise de 3 a 5 anos ou uma crise de mais de uma década?

Infelizmente, como nada vos preparou para enfrentar uma crise de uma tal amplitude histórica, até ao presente os senhores ocuparam-se apenas dos sintomas ou das causas secundárias. Os senhores pensaram que bastava por combustível ou óleo no motor mundial, sem perceberem que estava muito simplesmente avariado e sem esperança de reparação. É um novo motor que é preciso construir. E o tempo pressiona pois cada mês que passa deteriora um pouco mais o conjunto do sistema internacional.

Como em toda a grande crise, é preciso ir ao essencial. Como em toda crise de dimensão histórica, a única opção está entre empreender rapidamente mudanças de radicais e encurtar consideravelmente a duração da crise e suas consequências trágicas ou ao contrário recusar as mudanças radicais tentando salvaguardar o existente, para não conseguir senão prolongar duravelmente a crise e aumentar todas as suas consequências negativas. Em Londres, a 2 de Abril próximo, os senhores terão assim a opção entre resolver a crise em 3 a 5 anos de uma maneira organizada ou, ao contrário, arrastar o planeta para uma década terrível.

Limitar-nos-emos aqui a destacar três conselhos que consideramos estratégicos, ou seja, se não forem postos em acção daqui até ao Verão de 2008 a deslocação geopolítica mundial tornar-se-á inevitável a partir do fim deste ano.

OS TRÊS CONSELHOS DO LEAP/E2020

1- A chave da crise é a criação de uma nova divisa internacional de referência!

O primeiro conselho resume-se a uma ideia muito simples: a chave da crise actual encontra-se na reforma do sistema monetário internacional herdado do após 1945 a fim de criar uma nova divisa internacional de referência. O dólar americano e a economia dos Estados Unidos já não estão em condições de serem os pilares da ordem económica, financeira e monetária mundial. Enquanto este problema estratégico não for abordado directamente, e depois tratado, a crise aprofundar-se-á pois esta está no cerne das crises dos produtos financeiros derivados, dos bancos, dos preços da energia, ... e das suas consequências em termos de desemprego maciço e de baixas dos níveis de vida. É portanto vital que esta questão seja o objecto principal da Cimeira do G20 de Londres e que os primeiros elementos de solução sejam ali lançados. A solução para estes problemas é igualmente bem conhecida: trata-se de criar uma divisa de referência internacional (que se poderia chamar o "Global") fundada sobre um cabaz de moedas correspondente às principais economias do planeta, a saber, o US Dólar, o Euro, o Yen, o Yuan, o Khaleel (moeda comum dos estados petrolífero do Golfo será lançada a 1 de Janeiro de 2010), o Rublo, o Real, ... e fazer gerir esta divisa por um "Instituto Monetário Mundial", cujo Conselho de Administração reflicta os pesos respectivos das moedas que compõem o "Global". Os senhores devem pedir ao FMI e aos bancos centrais envolvidos para preparar um plano nesse sentido para Junho de 2009 com o objectivo de pô-lo em acção a 1 de Janeiro de 2010. É o vosso único meio de retomar a iniciativa durante o tempo em que se desenrola esta crise. E é o único meio de concretizar a implementação de uma globalização partilhada, partilhando a moeda que está no cerne de toda a actividade económica e financeira.

Segundo o LEAP/E2020, se uma tal alternativa ao sistema actual em pleno colapso não tiver começado a ser preparada daqui até ao Verão de 2009, demonstrando que existe um outro caminho além do "cada um por si", o sistema monetário internacional actual não passará do Verão. E se certos Estados do G20 pensam que é preferível manter mais tempo os privilégios que lhes proporciona o status quo, eles deveriam meditar no facto de que hoje ainda podem influenciar de maneira decisiva a forma que tomará este novo sistema monetário mundial. Uma vez iniciada a fase de deslocação geopolítica, perderão ao contrário toda aptidão para fazê-lo.

2- Controlar o conjunto dos bancos o mais rapidamente possível!

O segundo conselho já foi amplamente evocado nas discussões anteriores à vossa reunião. Deveria pois ser fácil adoptá-lo. Trata-se de instalar daqui até ao fim de 2009 um sistema de controle dos bancos à escala mundial que suprima todo "buraco negro". Várias opções já vos foram propostas pelos peritos. Tomem a decisão desde já. Nacionalizem o mais rapidamente possível quando preciso! Este é em todos os casos o único meio de prevenir um novo endividamento maciço dos estabelecimentos financeiros como o que contribuiu para a crise actual, e de mostrar às opiniões públicos que os senhores têm credibilidade face aos banqueiros.

3- Façam avaliar rapidamente pelo FMI os sistemas financeiros estado-unidense, britânico e suíço!

O terceiro conselho refere-se novamente a uma questão muito sensível politicamente que no entanto é incontornável. É indispensável que o FMI remeta ao G20, o mais tardar em Julho de 2009, uma avaliação independente dos três sistemas financeiros nacionais no núcleo da crise financeira: o dos Estados Unidos, do Reino Unido e da Suíça. Nenhuma solução durável poderá com efeito ser posta eficazmente em acção enquanto ninguém tem a menor ideia das devastações causadas pela crise a estes três pilares do sistema financeiro mundial. Já não é tempo de "usar luvas" com países que estão no cerne do caos financeiro actual.

Escrevam um comunicado simples e breve!

Para terminar, permitimo-nos apenas lembrar que doravante os senhores têm de restaurar a confiança junto a 6 mil milhões de pessoas e junto a dezenas de milhões de instituições públicas e privadas. Assim, não esqueçam de redigir um comunicado curto, que não tenha mais de duas páginas, que não contenha mais de três ou quatro ideias centrais e que seja legível para não peritos. Do contrário, os senhores não serão lidos fora do círculo estreito dos especialistas e não poderão ressuscitar a confiança da maioria condenando assim a crise a agravar-se. Se esta carta aberta vos ajudar a sentir que a História vos julgará por aquilo que tiverem conseguido fazer ou não nesta Cimeira, então ela não terá sido inútil. Saibam simplesmente que, segundo o LEAP/E2020, os vossos povos respectivos não esperarão mais de um ano para vos julgar. Uma coisa entretanto é certa: desta vez os senhores não poderão dizer que não foram prevenidos!

Franck Biancheri
Director de Estudos do LEAP/E2020

Presidente do Newropeans

Terça-feira, 24 de Março de 2009
 
Este documento pode ser pode ser lido também:
Resistir.info, com uma critica
Ao sabor da maré
 
O G20 reúne os países mais ricos do Mundo (França, Alemanha, Reino Unido, Itália, Espanha, Holanda e a Comissão Europeia por parte da UE, Estados Unidos, Canadá e Japão) e as economias emergentes (África do Sul, Argentina, Arábia Saudita, Austrália, Brasil, China, Coreia do Sul, Índia, Indonésia, México, Rússia e Turquia)
Uma das questões que se levanta - e que aqui e ali veladamente se vai colocando - é sobre a legitimidade deste grupo de países para decidir questões que afectam toda a Humanidade.
 


publicado por codigo430 às 13:10
link do post | comentar | favorito

A problemática da Emigração do 'sul para o norte'.

 

 


publicado por codigo430 às 06:38
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 24 de Março de 2009
O fosso entre Norte/Sul

 

 


publicado por codigo430 às 18:28
link do post | comentar | favorito

Impor o Processo de Bolonha à bastonada?

 

Periodistas protestan por la dureza policial durante algaradas estudiantiles

Barcelona, 20 mar (EFE).- Un centenar de periodistas, en su mayoría fotógrafos, se ha concentrado hoy frente al Palau de la Generalitat para protestar por la dureza que emplearon el pasado día 18 los Mossos d'Esquadra contra los informadores, durante la batalla campal que se produjo entre la policía y universitarios antiBolonia.

A la concentración, convocada por el Colegio de Periodistas de Cataluña y los principales sindicatos, han acudido varios de los fotógrafos que, pese a ir identificados, fueron agredidos por los agentes, y que aún presentaban en su cuerpo -uno tiene un moratón en el ojo- marcas de los porrazos recibidos. Palabras clave: periodistas-protestan-mossos-agresion.
 

 Parece que é o que pretendem em Barcelona....

 

Julgava-se que imagens destas, a polícia a reprimir estudantes do ensino universitário,  pertenciam definitivamente ao passado, aos anos sessenta e setenta do século XX. Mas não. Parece que voltaram...

 

Em Roma parece ser o mesmo...

 

Enfim, a ver vamos. A realidade é que os estudantes começam a reagir à intranquilidade. E isso não se resolve com cargas policiais, como julgam os governantes do dia.

 


publicado por codigo430 às 15:49
link do post | comentar | favorito

Dívida ao estrangeiro aumentou 54% durante o governo Sócrates

 

No fim de 2008 o crédito ao imobiliário, à construção e habitação era dez vezes superior ao credito à agricultura, pesca e indústria
O DÉFICE CRESCENTE DAS NOSSAS RELAÇÕES COM O ESTRANGEIRO
De acordo com o Boletim Estatístico do Banco de Portugal, entre 2005 e 2008, o défice da Balança Corrente Portuguesa aumentou em 42,6%, pois passou de 14.139 milhões de euros para 20.163 milhões de euros, enquanto o PIB cresceu apenas 11,4%. Como consequência, entre 2005 e 2008, aquele défice passou de 9,5% do PIB para 12,1%.
 
EM QUATRO ANOS, A DIVIDA EXTERNA LÍQUIDA PORTUGUESA AUMENTOU EM 54%
Segundo o Boletim Estatístico do Banco de Portugal, entre 2005 e 2008, o "Activo" de Portugal no estrangeiro, ou seja, tudo aquilo que o País possui no exterior, aumentou apenas 29.353,9 milhões de euros, ou seja, somente 11,6%, enquanto o "Passivo" de Portugal ao estrangeiro, ou seja, a Divida Bruta (aquilo que o País deve ao estrangeiro) cresceu em 86.203,6 milhões de euros. A Divida Liquida do nosso País ao estrangeiro, que se obtém subtraindo ao "Activo" do País o "Passivo" do País, aumentou em 56,849,7 milhões €, atingindo, em 2008, 161.531 milhões de euros. Como consequência, a Divida Bruta (o "Passivo" do País), em 2008, era 2,67 vezes superior ao PIB, ou seja, a toda a riqueza criada em Portugal nesse ano. E a Divida Liquida do País ("Passivo" menos "Activo"), medida em percentagem do PIB, cresceu de 70,2% para 97,2%. Por outras palavras, O "Passivo" do País ao exterior (aquilo que ele deve ao estrangeiro) é já superior ao seu "Activo" no estrangeiro (o que tem a haver do estrangeiro) em 161.531 milhões €.
 
EM 2008, O CRÉDITO BANCÁRIO APLICADO NO IMOBILIÁRIO E NA HABITAÇÃO ERA DEZ VESES SUPERIOR AO CRÉDITO APLICADO NA AGRICULTURA E NA INDÚSTRIA
De acordo com os dados divulgados pelo Banco de Portugal no seu Boletim Estatístico de Março de 2009, em 2004, o crédito concedido às actividades essencialmente produtivas, ou seja, à Agricultura, Pesca e Indústria Transformadora era apenas de 13.705 milhões de euros, enquanto o concedido às empresas de construção, actividades imobiliárias e à habitação somava 112.758 milhões de euros, ou seja, 8,2 vezes mais. Esta situação agravou-se ainda mais durante os quatro anos de governo Sócrates. No fim de 2008, o credito total concedido à Agricultura, Pesca e à Industria Transformadora somava apenas 16.455 milhões de euros, enquanto o concedido a empresas de construção, actividades imobiliárias e à habitação totalizava já 168.701 milhões de euros, ou seja, 10,2 vezes mais. Por outras palavras, o crédito concedido à Agricultura, Pesca e Industria Transformadora representava apenas 6,6% do crédito total (entre 2004 e 2008, diminuiu de 7,9% para 6,6%), enquanto o credito concedido às empresas de construção, actividade imobiliária e à habitação representava, em 2008, 67,9% do credito total concedido pelo sistema bancário (entre 2004 e 2008, aumentou de 65,1% para 67,9%).
 
por Eugénio Rosa, Resistir.info


publicado por codigo430 às 12:00
link do post | comentar | favorito

A problemática da informação

 

 

 


publicado por codigo430 às 06:23
link do post | comentar | favorito

O Estado é Indispensável

 

Agora, parece que todos o reconhecem. Mas em 2001, quando esta entrevista foi realizada, quem o afirmasse corria o risco de ser acusado de ter parado no tempo, no mínimo, exactamente por muitos dos que hoje se esforçam por aparecer como campeões da necessidade da intervenção estatal.

 

Aliás, a pergunta do entrevistador dá para entender o ambiente então existente sobre esta questão.

 


publicado por codigo430 às 00:00
link do post | comentar | favorito

Euro vs US Dollar
[Most Recent Exchange Rate from www.kitco.com]
Siouxsie And The Banshees - Dear Prudence
Coldplay - Paradise (Official)
Peter Gabriel - Games Without Frontiers
Je suis un homme - zazie
Vídeos
posts recentes

Fontes do Crescimento Eco...

El duro discurso de Marth...

¿Por qué el 'padre del iP...

A história de um Chef que...

Trabalho de pesquisa

Estatísticas do Turismo

Estrelas

Organizações Mundiais

Pent

Prova de Economia

links
tags

vídeos

opinião

cidadania

crise

democracia

economia

avaliação

globalização

humor

informação

outros temas

professores

actividades

música

enriquecimento

ambiente

sociologia

recursos

tve2

eua

informação vídeos

rtp

gripe

militarismo

videos

estudos

ensino

alunos

sic

estatísticas

escola

europeias

visitas de estudo

agricultura

poesia

fenprof

tvi

china

video

fome

divulgação

saramago

cef

iraque

profissional

vídeos tve2

galeano

leap

manifestações

pobreza informação

teoria

tve1

espinho

petróleo

técnico de secretariado

turismo

dia mundial

guerra

honduras

rosa

brasil

coltan

cultura

democracy

emigração

informação tve2

jn

laranjeira

outros temas vídeos

porto

sindicatos

colóquios

desigualdade

direito

economia tve2

estado

expresso

frases

galbraith

galeano tve2

gripe vídeos

obama

ocde

palestina

pedagogia

pobreza

privado

público

redes sociais

rt

técnico de comércio visitas de estudo

afeganistão

água informação vídeos

bbc

cgtp

chossudovsky

educação

fne

irão

manuel freire

todas as tags

Dívida Pública Mundial e por país

Tocar na imagem!
Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
arquivos

Outubro 2016

Dezembro 2015

Setembro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Maio 2006